Tamanho do texto

Condenado a 11 anos e 8 meses por corrupção, ex-parlamentar foi autorizado a deixar o presídio após pena ser perdoada pela Justiça

Gim Argello
José Cruz/Agência Senado
Gim Argello deixou a prisão neste sábado (15)


O ex-senador Gim Argello deixou a prisão neste sábado (15) após decisão da  1ª Vara de Execuções Penais de Curitiba (PR) . Condenado a 11 anos e 8 meses por corrupção e lavagem de dinheiro, o ex-parlamentar foi beneficiado pelo indulto de Natal editado pelo ex-presidente Michel Temer em 2017 e validado pelo Supremo Tribunal Federal no dia 9 de maio.

Leia também: Presos por corrupção pedem extinção de pena após indulto de Temer passar no STF

Um dos primeiros políticos preso durante o mandato no âmbito da Operação Lava Jato, Gim Argello foi detido no dia 12 de abril de 2016. Desde o começo da pena, permaneceu no Complexo Médico Penal de Pinhais, em Curitiba.

Quando o indulto de Natal foi editado por Temer - reduzindo cumprimento d epenas para um quinto do período da condenação -, o ex-senador tinha cumprido mais de 2 a nos e seis meses de prisão. Assim, ao final de 2018, a defesa de Argello já  entrou com o pedido de soltura.

Leia também: Dodge diz que decisão do STF sobre decreto de indulto é preocupante

A Justiça entendeu, porém, que o pedido só poderia ser atendido após a validação do indulto pelos ministros do STF.

Eleito senador em 2006 pelo Distrito Federal, Gim Argello foi condenado por corrupção passiva e pavagem de dinheiro. Preso preventivamente em abril de 2016, foi condenado em segunda instância a 11 anos e 8 meses. Na decisão, o juiz declarou o ex-parlamentar inocente no crime de ocultação.