Tamanho do texto

Neste sábado (15), Jair Bolsonaro ameaçou demitir Joaquim Levy, do BNDES

paulo guedes
Câmara dos Deputados/Pablo Valadares
Paulo Guedes diz entender o presidente Jair Bolsonaro em relação a preocupação com Joaquim Levy

O ministro da Economia, Paulo Guedes , diz que entende a angústia do presidente Jair Bolsonaro, que na tarde deste sábado  disse estar “por aqui” com Joaquim Levy, presidente do BNDES , e ameaçou demiti-lo. Para Bolsonaro, Levy está com “a cabeça a prêmio”. Guedes deu entrevista ao blog do jornalista Gerson Camarotti do site "G1".

O motivo da insatisfação de Bolsonaro com Joaquim Levy foi a escolha de  Marcos Barbosa Pinto para o cargo de diretor de Mercado de Capitais do banco.  Marcos Pinto foi chefe de gabinete de Demian Fiocca, na presidência do BNDES , durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Em entrevista ao "G1", Guedes destaca ainda que é natural Bolsonaro se sentir "agredido". 

Leia também: Governo Bolsonaro já conta com 17 baixas no segundo escalão

Mas Guedes negou que houve falta de sintonia com Bolsonaro. "Pelo contrário, existe sintonia. Eu entendo a angústia do presidente. É algo natural ele se sentir agredido quando o presidente do BNDES coloca na diretoria do banco nomes ligados ao PT", fala Guedes ao G1.

O ministro da Economia lembra que o presidente Bolsonaro apresentou como promessa de campanha abrir a caixa-preta do BNDES. "Ninguém fala em abrir a caixa-preta e ainda nomeia um petista. Então, fica clara a compreensão da irritação do presidente. O grande problema é que Levy não resolveu o passado nem encaminhou uma solução para o futuro", fala. 

Leia também: Levy evita constranger o governo com resposta direta sobre permanência

Sobre o futuro, Paulo Guedes citou assuntos como  privatizações, infraestrutura, saneamento e ajudar a reestruturação de estados e de municípios.