Tamanho do texto

Presidente da Câmara replicou ataque de Paulo Guedes; Ele também afirmou que crises do governo Bolsonaro não afetarão andamento da Previdência

Nesta sexta-feira (14) Rodrigo Maia, presidente da Câmara, disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, "está gerando uma crise desnecessária" e que o governo Bolsonaro virou uma usina de crises.

Leia também: Paulo Guedes diz que reforma da previdência será prioridade do modelo econômico

Rodrigo Maia
Divulgação
Paulo Guedes e Rodrigo Maia

"Hoje, infelizmente, é meu amigo Paulo Guedes gerando uma crise desnecessária", disse Rodrigo Maia à GloboNews , após participar, em São Paulo, de um seminário sobre o cenário político-econômico do país.

Leia também: "Se a gente forçar a barra, pode não aprovar", diz Bolsonaro sobre Previdência

"A vida inteira o ministro da Economia sempre foi o bombeiro das crises. Agora o bombeiro vai ser a Câmara. Nós não vamos dar bola para o ministro Guedes com as agressões que ele fez agora ao parlamento", continuou o presidente da Câmara.

Maia ainda reforçou que a reforma da Previdência está blindada e que as crises envolvendo o governo não podem afetá-la. "Nós queremos deixar claro que essa usina de crises que se tornou nos últimos meses do governo não vai chegar à Câmara. Nós vamos blindar a Câmara".

  • Guedes VS Maia

Na manhã desta sexta (14), Guedes criticou as mudanças propostas pelo relator Samuel Moreira, do PSDB, no projeto de reforma da Previdência na Câmara dos Deputados. Ele atribuiu as mudanças no texto a pressões corporativas.

Leia também: Bolsonaro enfrenta 1ª greve geral, que mira enfraquecer reforma; siga ao vivo

"Eu acho que houve um recuo que pode abortar a nova Previdência", disse Guedes, que posteriormente foi rebatido por Rodrigo Maia .