Tamanho do texto

Recurso, que foi liberado para julgamento pelo ministro Gilmar Mendes, havia sido apresentado em 2018 e questiona atuação de Moro no processo

Lula
Fernando Frazão/Agência Brasil - 6.6.16
Juiz Sérgio Moro condenou ex-presidente Lula por crimes de corrupção e lavagem no caso tríplex da Lava Jato



O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou para julgamento, nesta segunda-feira (10), um pedido de liberdade apresentado pelos advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O recurso da defesa solicita o habeas corpus do petista e se dá diante de questionamentos sobre a atuação do ex-juiz e atual ministro Sergio Moro no processo que resultou na sua condenação. 

Leia também: O que pode acontecer com a Lava Jato agora?

Apesar da expectativa para acontecer nesta terça-feira (11), o pedido  nada tem de relação com os vazamentos ocorridos no último domingo – que revelam o relacionamento cooperativo entre Moro e os procuradores da Lava Jato, operação na qual Lula foi preso. Afinal, o pedido foi apresentado pela defesa do ex-presidente no ano passado, quando Moro aceitou o convite do então presidente eleito Jair Bolsonaro para comandar o Ministério da Justiça.

Antes de ser ministro, Sergio Moro era juiz e atuava na 13ª Vara Federal de Curitiba, no Paraná. Nessa posição, foi o responsável pelos julgamentos em primeira instância relacionados à Operação Lava Jato e determinou a condenação do ex-presidente petista, em 2017, no caso do triplex em Guarujá, em São Paulo.

Leia também: Deltan Dallagnol grava vídeo e chama acusações contra a Lava Jato de equívocos

Lula, no entanto, só foi preso depois de ser condenado em segunda instância, no ano passado, pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). O caso ainda chegou a ser analisado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), em abril deste ano, que manteve a condenação, apesar de ter reduzido a pena.

Esse pedido de habeas corpus começou a ser analisado pelo STF em dezembro do ano passado, mas, após dois votos contra a concessão da liberdade a Lula , o ministro Gilmar Mendes pediu vista, ou seja, mais tempo para analisar o caso.

Leia também: Conversas da Lava Jato devem ser apuradas com "profundidade", dizem entidades

    Leia tudo sobre: lula