Tamanho do texto

Ministro da Justiça diz que imprensa está fazendo ‘muito barulho’ sobre o assunto e questionou obtenção e divulgação do conteúdo das mensagens

Sergio Moro
Marcelo Camargo/ABr
Sérgio Moro negou que tenha interferido nas investigações da operação Lava Jato

O ministro da Justiça, Sergio Moro, disse nesta segunda-feira (10) que não pode garantir a autenticidade das mensagens que teriam sido trocadas entre ele e o procurador do Ministério Público Federal Deltan Dallagnol. A  conversa foi divulgada neste domingo (9) pelo site The Intercept e aponta influência do ex-juiz em investigações da operação Lava Jato.

“Nem posso dizer que são autênticas porque, veja, são coisas que aconteceram, se aconteceram, há anos atrás. Eu não tenho mais essas mensagens, eu não guardo essas, não tenho registro disso”, disse Sergio Moro em entrevista coletiva após evento com secretários de segurança pública em Manaus.

Moro negou ter influenciado em qualquer resultado da Lava Jato e disse que “não tem nenhuma orientação ali naquelas mensagens”. O ministro também questionou a obtenção e divulgação do conteúdo. “O que há ali é uma invasão criminosa de celulares de procuradores. Pra mim, esse é um fato bastante grave ter havido essa invasão e divulgação, e, quanto ao conteúdo, no que diz respeito à minha pessoa, não vi nada de mais", disse.

Na entrevista coletiva, ao ser perguntado se fez sugestões sobre trocas de fases da Lava Jato, como aponta a matéria do The Intercept , Moro respondeu: “Olha, se houve alguma coisa nesse sentido, são operações que já haviam sido autorizadas. É uma questão de logística de ser discutido com a polícia de como fazer ou não fazer. Isto é absolutamente normal”.

Leia também: "Moro é ainda melhor do que eu imaginava", exalta Major Olímpio após mensagens

Primeira reação

Na noite de domingo, logo após a divulgação das mensagens com Deltan Dallagnol , o ministro enviou por meio de sua assessoria uma nota à imprensa na qual lamentou que a fonte dos jornalistas tenha sido mantida em sigilo.

“Lamenta-se a falta de indicação de fonte de pessoa responsável pela invasão criminosa de celulares de procuradores. Assim como a postura do site que não entrou em contato antes da publicação, contrariando regra básica do jornalismo”, diz o texto.

Neste primeiro momento ele já havia negado uma anormalidade em seu comportamento enquanto magistrado e disse que as mensagens haviam sido tiradas de contexto .

No Twitter

Ainda na noite de domingo, Sergio Moro se posicionou no Twitter , onde reforçou o que havia dito em sua nota pública. “Muito barulho por conta de publicação de supostas mensagens obtidas por meios criminosos de celulares de procuradores da Lava Jato”, escreveu. “Leitura atenta revela que não tem nada ali apesar das matérias sensacionalistas”.