Tamanho do texto

Coordenador do corpo jurídico que representa o ex-presidente na Lava Jato, Cristiano Zanin deve apresentar próximos passos ao petista em Curitiba

Lula rindo
Marcos Oliveira/Agência Senado - 29.8.16
Defesa de Lula quer usar fatos revelados em trocas de mensagens para conseguir liberdade ao ex-presidente

Os representantes da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reuníram na manhã desta segunda-feira (10), em São Paulo, para discutir a nova estratégia a ser adotada a partir do escândalo envolvendo mensagens trocadas entre integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato e o ex-juiz Sergio Moro , atual ministro da Justiça e Segurança Pública.

O principal advogado de Lula nos processos da Lava Jato em Curitiba, Cristiano Zanin Martins, pretende apresentar as novas diretrizes ao ex-presidente já em sua próxima visita ao petista, na Superintendência da Polícia Federal na capital paranaense.

Leia também: Juristas pedem para PGR apurar atuação da Lava Jato; Deltan está na mira do CNMP

Ainda na noite desse domingo (9), horas após a divulgação das mensagens pelo site The Intercept , a defesa de Lula divulgou nota afirmando que a alegada "atuação ajustada dos procuradores e do ex-juiz da causa, com objetivos políticos" prova que os processos julgados em Curitiba "estão corrompidos" .

"O restabelecimento da liberdade plena de Lula é urgente, assim como o reconhecimento mais pleno e cabal de que ele não praticou qualquer crime e que é vítima de 'lawfare', que é a manipulação das leis e dos procedimentos jurídicos para fins de perseguição política", diz o texto assinado por Zanin e pela advogada Valeska Teixeira Martins.

Também em nota, a força-tarefa de procuradores que atuam na Operação Lava Jato negou irregularidades na atuação do grupo , reforçou a ideia de que o trabalho é "imparcial" e acusou o site The Intercept de ter divulgado mensagens "fraudulentas e fora de contexto". O ex-juiz Sergio Moro, por sua vez, reclamou que as conversas foram obtidas "por meios criminosos" e garantiu que os textos não apontam "anormalidade ou direcionamento".

Leia também: Mensagens de Moro colocam em xeque "equidistância da Justiça", diz Marco Aurélio

    Leia tudo sobre: Lula