Tamanho do texto

Segundo jornal, presidente compartilhou críticas a nome apoiado por Maia para chefiar ministério que seria recriado, rompendo acordo com o bloco que encabeça as derrotas do governo; centrão promete retaliar após protestos

Presidente Jair Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR - 24.5.19
Bolsonaro compartilhou críticas a nome apoiado por Maia no WhatsApp, segundo jornal

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) reacendeu a crise de seu governo com o centrão – ala que reúne cerca de 200 deputados de partidos de médio porte – ao 'trair' acordo com o grupo e compartilhar críticas no WhatsApp a um aliado do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A informação foi publicada neste sábado (25) pelo jornal Folha de S.Paulo .

De acordo com o jornal, Bolsonaro repassou a políticos e a empresários mensagens encaminhadas pelo senador Jorge Kajuru (PSB-GO) com ataques a Alexandre Baldy (PP), atual secretário do governo João Doria (PSDB) em São Paulo. O gesto do presidente teria sido a gota d'água capaz de derrubar as tentativas do Planalto em se reaproximar com o centrão.

Baldy, segundo a Folha , era apoiado por Rodrigo Maia para reassumir o Ministério das Cidades (já comandado por ele, durante a gestão Michel Temer), pasta que seria recriada após o Planalto ceder nas negociações sobre a reforma administrativa do governo .

Os ataques a Baldy repassados por Bolsonaro, no entanto, levaram os deputados do centrão a abrirem mão da defesa da recriação do ministério. A avaliação do grupo é de que o presidente da República não é de confiança.

Na votação da Medida Provisória que redesenhou a estrutura ministerial do governo, nessa semana, os parlamentares mantiveram o desenho com 22 pastas, sem Ministério das Cidades, conforme Bolsonaro propôs desde o início. Mas o grupo que reúne partidos como DEM, PP, PR, PSD, SD e PRB retaliou o Planalto com a retirada do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Justiça, impondo derrota ao ex-juiz Sérgio Moro.

Esta foi apenas a última de uma série de derrotas que o centrão já impôs ao governo do ex-capitão da reserva. No início do mês, a Câmara aprovou a convocação do ministro da Educação, Abraham Weintraub , para prestar esclarecimentos sobre cortes a universidades. A mesma Casa já havia, em fevereiro,  derrubado um decreto que alterava a Lei de Acesso à Informação e também é responsável pela morosidade na tramitação da reforma da Previdência – principal bandeira do governo.

As dificuldades impostas pelo grupo a Bolsonaro fizeram com que o centrão se tornasse um dos principais alvos de apoiadores do presidente, que  prometem realizar manifestações em diversas cidades do País neste domingo (26). Mas os integrantes desse bloco informal prometem retaliar o governo em votações no Congresso caso os ataques ganhem vulto durante os protestos.

À Folha , Alexandre Baldy disse não acreditar que Bolsonaro se valeria de "ilações" para "se basear na condução do futuro do País". Já o Palácio do Planalto não quis se manifestar.