Tamanho do texto

Após receber homenagem na Firjan, presidente ironizou acusações de que partido tenha patrocinado candidatas de fachada para beneficiar eleitos

Bolsonaro ao lado da frase
Marcos Corrêa/PR
Bolsonaro ironizou as denúncias sobre o laranjal do PSL


O presidente Jair Bolsonaro ironizou nesta segunda-feira (20) as denúncias dobrecandidaturas laranjas do PSL e disse que até gostaria de ser dono de um laranjal, porque "laranja é um produto rendoso". A declaração foi feita durante discurso após receber a Medalha do Mérito Industrial concedido pela Federação das Indústrias do Estado do Rio (Firjan). 

Leia também: Bolsonaro critica órgãos de fiscalização e controle: "Tudo o MP se mete"

Bolsonaro afirmava sobre o laranjal para o público, composto principalmente por empresários e membros do setor industrial, que buscaria facilitar ao máximo a vida dos empreendedores em seu governo. O presidente citou, então, sua própria campanha em 2018, afirmando que gastou "menos de 1 milhão de dólares" na disputa presidencial. De acordo com o TSE, Bolsonaro arrecadou R$ 4,3 milhões, sendo a maior parte - R$ 3,3 milhões - fruto de financiamento coletivo, e contratou despesas que totalizaram R$ 2,4 milhões.

"Meu partido recebeu R$ 9 milhões dentro de R$ 1,6 bilhão do fundo eleitoral e fiz questão de não usar esse recurso. E de vez em quando nos acusam de ter candidatura laranja aqui no Rio de Janeiro", ironizou Bolsonaro .

Leia também: Bolsonaro diz que briga entre poderes é fofoca e nega polêmica com texto

De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo , publicada em fevereiro, 33 candidatas do PSL no Rio fizeram pagamentos para contratar a empresa Ale Solução e Eventos durante a eleição de 2018, totalizando repasses de R$ 26 mil. A empresa é de Alessandra Ferreira de Oliveira, ex-assessora de Flávio Bolsonaro na Alerj e contadora do PSL. Dessas 33 candidatas, 26 tiveram menos de 2 mil votos, segundo a reportagem.

 "As três candidatas laranjas no Rio, cada uma recebeu R$ 1,8 mil para pagar o contador e prestar conta, mas não colocam o valor. Aí eu sou dono do laranjal aqui no Rio de Janeiro. Até gostaria que fosse (dono de laranjal), a laranja é um produto bastante rendoso aí", completou o presidente, em tom de piada.

Leia também: Alvo de investigação de candidaturas laranja deixa executiva do PSL mineiro

Os diretórios do PSL de Minas Gerais e Pernambuco também são alvos de acusações de patrocínio a candidaturas laranjas. O ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio, presidente do PSL mineiro à época das eleições de 2018, é investigado pelo Ministério Público em Minas Gerais e pela Polícia Federal por ter supostamente ter abastecido candidaturas femininas de fachada com dinheiro dos fundos partidário e eleitoral.

Em Pernambuco, estado do presidente da legenda, Luciano Bivar, uma candidata que obteve apenas 68 votos recebeu R$ 400 mil de fundo partidário do PSL. As denúncias de  laranjal impulsionaram a demissão do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno , que foi presidente interino do PSL durante as eleições de 2018.