Tamanho do texto

Presidente diz que Brasil deve se aproximar de países que 'possam trazer vantagem' e critica 'círculo de amizade' de governantes que o antecederam

Bolsonaro comendo em churrascaria
Marcos Corrêa / PR
Bolsonaro fez analogia com "churrasquinho de gato" para falar dos laços com os EUA


O presidente Jair Bolsonaro aproveitou uma homenagem na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), nesta segunda-feira (20), para defender a orientação da política externa de seu governo. Bolsonaro falava sobre suas “andanças pelo mundo”, citando viagens a países como Japão, Israel e Taiwan, antes ou depois da eleição, quando ressaltou sua tentativa de aproximação com os EUA , país que já visitou duas vezes em cinco meses na Presidência. 

Leia também: Bolsonaro classifica a classe política como o grande problema do Brasil

"Quando me criticam que eu me aproximei dos EUA, eu respondo: querem que eu me aproxime de quem? Da Venezuela, Cuba, Bolívia? Com todo o respeito aos nacionais que estão lá, em grande parte não têm culpa da situação em que se encontram. Devemos nos preocupar conosco e nos aproximar de quem está melhor do que nós", argumentou Bolsonaro .

O presidente fez uma analogia com “churrasquinho de gato” para exemplificar a importância de ter bons aliados na diplomacia internacional.

Leia também: Base eleitoral de Bolsonaro, policiais farão ato contra reforma previdenciária

"Me desculpem o linguajar chulo, mas uma pessoa outro dia me disse que a filha se envolveu com quem não presta. Eu perguntei para ele: qual é o teu círculo de amizade? Comer churrasquinho de gato na esquina com ela toda noite? Não podia acontecer diferente. Qual foi o círculo de amizade do Brasil nas últimas décadas?", defendeu.

Bolsonaro voltou a criticar a ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner, que chegou a ser cotada para liderar uma chapa nas eleições argentinas deste ano. Apesar de liderar as pesquisas de intenção de voto, Cristina resolveu concorrer como vice na chapa de Alberto Fernández, que foi chefe de Gabinete do governo do seu marido, Néstor Kirchner.

Leia também: Bolsonaro critica órgãos de fiscalização e controle: "Tudo o MP se mete"

Ao encontrar o ex-presidente americano George Bush em sua viagem aos EUA , na última semana, Bolsonaro se disse preocupado com as chances eleitorais de Cristina. O presidente do Brasil tocou novamente no assunto em seu discurso na Firjan.

"Lá nos EUA, apesar de não ser muito prudente tocar nisso, quando se falava na Venezuela eu dizia: preocupem-se primeiro com a Argentina, que está voltando para as mãos da senhora Cristina Kirchner. Vamos ter outra Venezuela no sul da América do Sul?",  destacou.

Bolsonaro recebeu, na sede da Firjan, no centro do Rio, a Medalha do Mérito Industrial, entregue pela organização a personalidades com contribuições à indústria no estado do Rio ou atuação de destaque no cenário econômico e político. Após a cerimônia, ele participou de um almoço com o presidente da entidade, Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira.