Tamanho do texto

Documento sigiloso obtido pela revista Veja aponta preocupação das autoridades com ameaças de ataques ao presidente e a dois ministros

Jair Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR - 15.5.19
Polícia Federal investiga grupo terrorista que ameaça o presidente Jair Bolsonaro e ministros

A divisão antiterrorismo da Polícia Federal (PF) está investigando a identidade dos integrantes de um grupo extremista que ameaça de morte o presidente da República, Jair Bolsonaro, e dois dos seus ministros. O grupo terrorista se autointitula " Sociedade Secreta Silvestre " e se diz "ecoterrorista". As informação são da revista Veja

Leia também: "Tu vai entrar na bala": PF investiga vídeos com novas ameaças a Bolsonaro

Segundo a publicação, um documento sigiloso obtido com exclusividade pela revista aponta que as ameaças a Bolsonaro viraram pauta principal dessa divisão da PF recentemente. Tais ameaças foram publicadas em um site e vieram à tona quando, em dezembro do ano passado, o grupo terrorista disse que poderia promover um atentado na cerimônia presidencial.

Leia também: Homens com fuzis fazem nova ameaça a Bolsonaro em baile funk; veja vídeo

Na época, a polícia reforçou a segurança em Brasília e chegou a desarmar uma bomba colocada na porta de uma igreja que fica a cerca de 50 quilômetros do Palácio do Planalto. Além disso, há pouco tempo, esse grupo reivindicou o incêndio de dois carros em uma das sedes do Ibama, em Brasília.

Em suas publicações, o movimento ainda se declara "anticristão" e afirma que tem feito "ameaças a figuras públicas, notadamente ao presidente da República Jair Messias Bolsonaro ". Segundo os investigadores, as condutas dos envolvidos são “extremamente graves, inclusive com a utilização de artefatos explosivos” e representam “atos criminosos”.

Leia também: Bolsonaro recebeu novas ameaças de morte, diz ministro-chefe do GSI

O episódio no Ibama resultou em uma busca da polícia, que localizou fragmentos de uma bomba caseira. O grupo terrorista assumiu a autoria do atentado e anunciou que o próximo alvo seria o ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente. Não se sabe ainda quem seria o segundo ministro de Bolsonaro ameaçado pelos extremistas.