Assessor de Flávio Bolsonaro depositou quantia suspeita na conta da mãe, que não lembra
Marcos Oliveira /Agência Senado - 8.5.19
Assessor de Flávio Bolsonaro depositou quantia suspeita na conta da mãe, que não lembra

O policial civil Jorge Luis de Souza, que atuou como assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), fez um depósito de R$ 90 mil em espécie na conta da mãe, Nicelma Ferreira de Souza, em março de 2018, quando ainda trabalhava para o então deputado estadual.

Leia também: MP investiga parentes da ex de Bolsonaro nomeados nos gabinetes dele e de Flávio

Em contato com o GLOBO , Nicelma disse que não lembra da transação e que desconhecia o trabalho do filho para Flávio Bolsonaro . A transação foi apontada pelo Ministério Público, em seu pedido de quebra de sigilo bancário e fiscal de 86 pessoas e 9 empresas , como um indício de que quantias desviadas do orçamento da Alerj eram distribuídas entre lideranças do gabinete de Flávio, no  caso Queiroz .

Você viu?

O Ministério Público apura indícios de formação de organização criminosa, com desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro, no gabinete de Flávio na Alerj. Em seu pedido de quebra de sigilo, o MP se refere à"expressiva quantia" de R$ 90 mil depositada por Jorge Luis, em uma única transação, na conta bancária da mãe, que mora em Rio das Ostras, no Norte Fluminense.

Leia também: "Estão fazendo um esculacho em cima do meu filho", diz Bolsonaro sobre Flávio

Procurada por telefone pelo GLOBO , Nicelma se mostrou surpresa com a informação do depósito de R$ 90 mil em sua conta. Ela está entre os alvos do pedido de quebra de sigilo feito pelo MP, assim como seu filho, Jorge Luis, e também o senador filho do presidente Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários