Tamanho do texto

Transação do policial Jorge Luis de Souza feita em 2018 está na mira do MP, que apura desvio de recursos em gabinete do então deputado estadual

Flávio Bolsonaro
Marcos Oliveira /Agência Senado - 8.5.19
Assessor de Flávio Bolsonaro depositou quantia suspeita na conta da mãe, que não lembra

O policial civil Jorge Luis de Souza, que atuou como assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), fez um depósito de R$ 90 mil em espécie na conta da mãe, Nicelma Ferreira de Souza, em março de 2018, quando ainda trabalhava para o então deputado estadual.

Leia também: MP investiga parentes da ex de Bolsonaro nomeados nos gabinetes dele e de Flávio

Em contato com o GLOBO , Nicelma disse que não lembra da transação e que desconhecia o trabalho do filho para Flávio Bolsonaro . A transação foi apontada pelo Ministério Público, em seu pedido de quebra de sigilo bancário e fiscal de 86 pessoas e 9 empresas , como um indício de que quantias desviadas do orçamento da Alerj eram distribuídas entre lideranças do gabinete de Flávio, no  caso Queiroz .

O Ministério Público apura indícios de formação de organização criminosa, com desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro, no gabinete de Flávio na Alerj. Em seu pedido de quebra de sigilo, o MP se refere à"expressiva quantia" de R$ 90 mil depositada por Jorge Luis, em uma única transação, na conta bancária da mãe, que mora em Rio das Ostras, no Norte Fluminense.

Leia também: "Estão fazendo um esculacho em cima do meu filho", diz Bolsonaro sobre Flávio

Procurada por telefone pelo GLOBO , Nicelma se mostrou surpresa com a informação do depósito de R$ 90 mil em sua conta. Ela está entre os alvos do pedido de quebra de sigilo feito pelo MP, assim como seu filho, Jorge Luis, e também o senador filho do presidente Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro .