Tamanho do texto

Modesto Carvalhosa comparou a atuação do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), com a de Renan Calheiros (MDB-AL), que presidiu a Casa por duas vezes e foi seu principal concorrente ao cargo no início do ano

IstoÉ

Davi Alcolumbre durante sessão de eleição no Senado
Geraldo Magela/Agência Senado - 2.2.19
Davi Alcolumbre é o presidente do Senado


O jurista Modesto Carvalhosa comparou no início da tarde desta segunda-feira (29), a atuação do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), com a do senador Renan Calheiros (MDB-AL), que presidiu a Casa por duas vezes.

Leia também: Comissão do Senado rejeita projeto que revogava cota para mulheres nas eleições

“Ele é um aprendiz de Renan. Ele está querendo aprender. Ele está deslumbrado e deixando de cumprir o que precisa”, afirmou Carvalhosa, ao comentar a posição de Alcolumbre em relação a pedidos de impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). “Ele foi eleito como uma nova figura, alguém da nova política.”

Carvalhosa é autor de um dos pedidos de impeachment contra o ministro Gilmar Mendes. Ele alega, entre outros pontos, que o magistrado participou de julgamentos – como habeas corpus de Eike Batista, Jacob Barata Filho e Lélis Marcos Teixeira – dos quais não poderia ter atuado.

Leia também: Comissão do Senado adia votação de projeto que criminaliza caixa dois

Alcolumbre, no entanto, disse mais de uma vez que os impeachments de Gilmar Mendes e os de outros ministros, protocolados posteriormente, não estão na prioridade da Casa.

“Realmente, quando se entra lá, não se espera que haja no Senado uma reação maior. Mas eu espero que isso (aceite do pedido de impeachment ) possa um dia ocorrer”, afirmou. “Ele (Alcolumbre) tinha a obrigação de mandar para uma comissão e a comissão iria mandar para o plenário.”

Leia também: Proposta que criminaliza a profissão de "coach" viraliza e deve ir ao Senado

As falas de Carvalhosa sobre Alcolumbre foram feitas durante participação no Simpósio Internacional Anticorrupção, evento promovido pelo IBGT e pelo Instituto Federalista em São Paulo.

    Leia tudo sobre: impeachment