No caso de Bolsonaro, um fenômeno raro ocorreu: a tal da 'lua de mel' durou muito pouco
Marcos Corrêa/PR
No caso de Bolsonaro, um fenômeno raro ocorreu: a tal da 'lua de mel' durou muito pouco

Depois de quase quatro meses completos do mandato do novo presidente da República, a diretora-executiva do Ibope Inteligência, Marcia Cavallari, deu à imprensa uma breve análise sobre a aprovação da população a respeito do início da gestão de Jair Bolsonaro (PSL). Segundo ela, aqueles grupos que demonstraram algum tipo de apoio ao presidente apenas depois das eleições já vêm mudando de ideia.

Leia também: Bolsonaro rebate Lula: "Pelo menos não é bando de cachaceiro" que governa o País

Além disso, a participação dos filhos do presidente no governo é outro fator que tem prejudicado a imagem de Bolsonaro . Em reportagem publicada nesta segunda-feira (29) pelo jornal O Estado de S.Paulo , a insatisfação com o governo, em geral, tem aumentado. Enquanto a satisfação ficando estável, o que poderia indicar neste caso um piso para as avaliações do presidente. 

“A insatisfação aumenta, mas a aprovação pode estar próxima de um piso. As próximas pesquisas vão mostrar o tamanho desse núcleo que mais aprova o governo”, diz ela. Com a queda da avaliação positiva e da aprovação ao modo de governar, caiu também a confiança na figura do presidente – 51% em abril, ante 62% em janeiro.

Você viu?

Leia também: Bolsonaro nega que Moro escolherá próximo procurador da República

A analista lembra que governos recém-empossados costumam despertar otimismo entre os eleitores, mesmo entre os que não votaram no vencedor. No entanto, no caso de Bolsonaro, um fenômeno raro ocorreu: a tal da “lua de mel” durou muito pouco. De acordo com os dados, o presidente "não conseguiu manter por muito tempo a janela de boa vontade, o que é verdade até entre aqueles que votaram no candidato do PSL no ano passado".

Leia também: Bolsonaro recebe Rodrigo Maia no Alvorada: "Conversa excelente"

Segundo a reportagem, o apoiador de Bolsonaro se incomoda com a participação dos filhos do presidente no governo. Além disso, vê "despreparo administrativo" no capitão reformado. Por fim, a analista mostra que onde o Bolsonaro mais perdeu apoio foi em capitais e cidades com mais de 500 mil habitantes, nas quais mais de três a cada dez apoiadores pularam do barco no período. O presidente se sai melhor em municípios pequenos e do interior, com 37% de avaliação positiva em ambos os casos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários