Tamanho do texto

Segundo a assessoria do deputado, o encontro serviu para tratar sobre a reforma da Previdência; no sábado (27), os dois já haviam almoçado juntos

bolsonaro e maia
Flickr/Palácio do Planalto
"Uma hora, mais ou menos, de conversa. Excelente. Um montão de assuntos", disse Bolsonaro sobre encontro com Maia

O presidente Jair Bolsonaro (PSL)  recebeu o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), na manhã deste domingo (28) no Palácio da Alvorada. Não havia a previsão do encontro na agenda oficial até esta manhã, mas ela foi atualizada depois da reunião. Segundo Bolsonaro, a conversão foi "excelente" e eles trataram de "um montão de assuntos".

"Uma hora, mais ou menos, de conversa. Excelente. Um montão de assuntos. A visita foi para tratar de um montão de assuntos", disse Bolsonaro

Esta é a segunda vez em dois dias que os dois se encontram.  No sábado (27), Bolsonaro e Maia foram a um almoço na casa do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Walton Alencar. Na saída, o presidente disse que todos tiveram uma conversa "maravilhosa" e que a relação entre eles está "100%".  Maia não falou com a imprensa. 

A assessoria de Maia afirma que o encontro foi para tratar da reforma da Previdência .
No início da tarde, Bolsonaro deixou o Alvorada e foi para a casa de um dos seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro (PSL).

Leia também: Senador americano pede para hotel não receber homenagem a Bolsonaro em NY

"Tem um filho meu filho que mora aqui. É a primeira vez que eu venho aqui" disse o presidente ao chegar no local. Bolsonaro estava acompanhado de outro filho, Jair Renan.

Discussão sobre o Coaf

ministro sergio moro
Aloisio Mauricio/Fotoarena/Agência O Globo
Moro defende que o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) fique sob a alçada do Ministério da Justiça

Questionado sobre possibilidade do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) deixar o Ministério da Justiça e voltar para o Ministério da Economia, Bolsonaro afirmou que o assunto está sendo discutido. Ontem, o ministro da Justiça, Sergio Moro, defendeu a permanência do órgão na sua pasta . "Estamos tratando desse assunto", afirmou.