Tamanho do texto

Superintendência da Polícia Federal havia determinado a presença de jornalistas e convidados na entrevista, mas Lewandowski derrubou decisão

Lula
Ricardo Stuckert
Lula deve conceder entrevista nesta sexta-feira (26)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, decidiu na tarde desta quinta-feira (25) derrubar a  decisão da Superintendência da Polícia Federal do Paraná de permitir a presença de plateia formada por jornalistas de diversos veículos e convidados na entrevista exclusiva que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva concederá nesta sexta (26), aos jornais Folha de S.Paulo e El País .

A determinação da PF havia causado revolta à defesa do ex-presidente, que disse que o STF estava sendo desrespeitado, bem como o trabalho dos jornalistas e veículos de comunicação que conseguiram autorização para entrevistar Lula ainda no ano passado.

Lewandowski afirmou em sua decisão que a PF extrapolou os limites da autorização judicial ao requerer a presença de convidados por ela mesma na entrevista. "A liberdade de imprensa, apesar de ampla, deve ser conjugado com o direito fundamental de expressão, que tem caráter personalíssimo, cujo exercício se dá apenas nas condições e na extensão desejadas por seu detentor", disse.

"Esclareço que a decisão da Corte restringe-se exclusivamente aos profissionais da imprensa supra mencionados, vedada a participação de quaisquer outras pessoas, salvo as equipes técnicas destes, sempre mediante a anuência do custodiado", acrescentou.

Após a decisão da Corte, a Superintendência da PF disse que "há que ser cumprida a decisão judicial no snetido de permitir somente os jornalistas autores da ação judicial".

A entrevista do ex-presidente estava suspensa desde setembro de 2018 por decisão do ministro do STF Luiz Fux. No último dia 18, porém, o presidente da corte, ministro Dias Toffoli,  revogou e autorizou que o ex-presidente fale aos jornais. Toffoli entendeu que não há qualquer motivo para os jornais serem impedidos de entrevistar Lula , preso em Curitiba desde o dia 7 de abril de 2018.

    Leia tudo sobre: lula