Tamanho do texto

Presidente enviou mensagem por meio de carta dizendo que o filósofo é importante para o Brasil, mas não interfere em sua política de governo

Olavo de Carvalho em sua sala
Reprodução/TV Globo
Relação de Bolsonaro com Olavo de Carvalho precisou ser explicada


Tentando se afastar das polêmicas envolvendo o seu governo e o filósofo Olavo de Carvalho, o presidente Jair Bolsonaro soltou uma nota nesta segunda-feira (22) informando que as ideias de seu “guru” não interferem nos objetivos do Planalto.

Leia também: "Olavo de Carvalho deve se limitar à função de astrólogo", ataca Mourão

Em mensagem lida pelo porta-voz do governo, Otávio Rêgo Barros, Bolsonaro fala que Olavo de Carvalho tem um papel considerável para os brasileiros, mas que isso não significa que ele interfira no governo.

“O professor Olavo de Carvalho teve um papel considerável na exposição das ideias conservadoras que se contrapuseram à mensagem anacrônica cultuada pela esquerda e que tanto mal fizeram ao nosso País. Entretanto, sua recentes declarações contra integrantes dos poderes da República, não contribuem para a unicidade de esforços e consequente atingimento dos objetivos propostos em nosso projeto de governo, que visam ao fim e ao cabo ao bem estar da sociedade brasileira e ao soerguimento do Brasil no contexto das nações”, leu o porta-voz.

Leia também: Líder do governo na Câmara critica Olavo de Carvalho e articulação de Bolsonaro

Um vídeo do ideólogo de direita Olavo de Carvalho com críticas aos militares foi  postado na noite de sábado no canal do presidente Jair Bolsonaro , no Youtube, e replicado pelo seu filho, Carlos no Twitter. Nele, o ideólogo de direita  diz que a última contribuição das escolas militares foram as obras de Euclides da Cunha.

"Desde então, foi só cabelo pintado e a voz empostada" e que "os milicos só fizeram cagada" ao entregarem "o país ao comunistas". " E eles ainda vêm dizer que salvaram o país do comunismo". A peça foi compartilhada pelo vereador Carlos Bolsonaro com o título: " Olavo de Carvalho sempre foi Olavo de Carvalho".