Tamanho do texto

Mensagem foi compartilhada pelo policial civil Osmar Rocha Fagundes, um dos alvos de uma ação da Polícia Federal na manhã desta terça-feira (16)

Ministro Alexandre de Moraes durante sessão do STF
Fellipe Sampaio /SCO/STF - 29.3.17
Ministro Alexandre de Moraes durante sessão do STF


Um dos posts mencionados pelo Supremo Tribunal Federal ( STF ) para pedir o bloqueio das redes sociais de um usuário é um compartilhamento de um post e tem apenas quatro curtidas, quatro compartilhamentos e nenhum comentário. A publicação, que pede o fechamento da Corte, foi compartilhada pelo policial civil Osmar Rocha Fagundes , um dos alvos de uma ação da Policia Federal que investiga ofensas a ministros do STF. A autoria da publicação é da página Brasil Sem Comunismo. 

Leia também: Investigada por "fake news" rebate STF: "Prisão para esses bandidos de toga"

No outro post de Fagundes mencionado pelo STF , o policial civil afirma que os ministros da Corte são "bolivarianos" e estão "alinhados com narcotraficantes e corruptos". O resultado em compartilhamentos é inferior ao primeiro, somente dois, mas o número de likes e comentários é melhor, sete e seis, respectivamente.

Desses comentários, escritos há um mês, quatro deles são da mesma pessoa. Os outros dois são de um homem que avisa ao autor do post que a publicação foi ameaçada pelo ministro Toffoli e de Fagundes, que se diz tranquilo e afirma "Povo tem que manifestar. Eis a liberdade de expressão". 

Leia também: Alvo de ação da PF, general diz que não é 'cagão' e mantém críticas a Toffoli

17 publicações em três dias, algumas contra o STF

Fagundes é um usuário assíduo do Facebook. Só nos últimos três dias, ele fez 17 publicações. Desses posts, três eram críticas ao STF relacionadas a uma matéria da revista Crusoé que liga o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, à empreiteira Odebrecht -a publicação da revista foi censurada por uma ordem do Supremo nesta segunda-feira.

As outras publicações, no entanto, não são sobre o Supremo. O policial civil também critica o Partido dos Trabalhadores, a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, além de casos de corrupção. Há ainda um vídeo defendendo os caminhoneiros e dois posts com piadas.

Leia também: Moraes manda bloquear redes sociais dos investigados por fake news contra o STF

Assim como nas publicações mencionadas pelo STF , as publicações mais recentes não têm um grande alcance de usuários. O número máximo de reações que Fagundes conseguiu em um das 17 últimas publicações foi quatro. Os comentários não ultrapassam sete e há, no máximo, apenas cinco compartilhamentos em uma postagem.  

    Leia tudo sobre: facebook