Tamanho do texto

Senador, que já empregou parentes de líderes milicianos, disse que contestar seu envolvimento com milícias é 'fortalecer uma narrativa absurda'

Flávio Bolsonaro em debate na Alerj
Divulgação/Alerj
Flávio Bolsonaro atacou ironia de José Padilha e disse ser contra as milícias


O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) disse nesta terça-feira (16), em sua conta de Twitter, que é "contra qualquer poder paralelo, tráfico ou milícias". A declaração veio em resposta a um artigo publicado pelo cineasta José Padilha no jornal "Folha de S. Paulo".

Leia também: Carlos Bolsonaro ataca jornal em rede social: "Ignoram tudo relacionado ao PT"

O diretor de "Tropa de Elite" criticou o pacote anticrime de Moro e afirmou que ele facilita a atuação de milícias , apontando Flávio Bolsonaro como um dos favorecidos pela forte influência que milicianos exercem nas zonas eleitorais do Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio.

O senador afirmou que Padilha acusou todos os moradores de Rio das Pedras de "bandidos", mas o cineasta apenas apontou a influência de milícias na região. 

No tweet seguinte, no entanto, Flávio se posicionou contra a CPI das milícias. "O único intuito dessa CPI é tentar fortalecer a narrativa absurda de que tenho algum envolvimento com milícia", afirmou ele.

Leia também: Governo "não tem como dar errado", diz senador Flávio Bolsonaro

A narrativa de que Flávio Bolsonaro pode ter algum envolvimento com grupos milicianos ganhou corpo após algumas revelações, principalmente a de que o filho do presidente empregou em seu gabinete, enquanto exercia mandato de deputado estadual, a mãe e a esposa de Adriano da Nóbrega, um dos líderes do grupo miliciano de extermínio conhecido como Escritório do Crime, que atua na comunidade do Rio das Pedras.

Na época da revelação, Flávio respondeu apenas que o responsável pelas contratações de seu gabinete foi Fabrício Queiroz, seu ex-assessor, e não prestou maiores esclarecimentos. 

Leia também: Memes: internautas pedem 'misericórdia' do Hamas após tweet de Flávio Bolsonaro

Flávio também já homenageou e condecorou policiais militares que posteriormente foram presos por integrar milícias , como Ronald Paulo Alves Pereira e o próprio Adriano da Nóbrega.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.