Tamanho do texto

Hashtag sobre o Hamas se tornou um dos assuntos mais comentados do Twitter e entrou para os Trending Topics, com mais de 28 mil publicações

undefined
Reprodução/Twitter
Flávio Bolsonaro deixou resposta ao Hamas e depois apagou o tweet

Na noite dessa terça-feira (3), o filho mais velho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), causou polêmica ao  responder a organização islâmica Hamas em sua conta do Twitter. Respondendo a uma matéria com a manchete “Hamas repudia visita de Bolsonaro a Israel e pede retratação”, o político escreveu: “Quero que vocês se explodam”.

Cerca de uma hora depois, Flávio Bolsonaro apagou a publicação, mas os usuários não perdoaram. Nesta manhã, a hashtag #HamasVoteiNoHaddad foi um dos assuntos mais comentados no Twitter, entrando para os Trending Topics (assuntos mais comentados na rede social), com mais de 28 mil publicações. 

Os usuários fizeram piadas com a fala do senador, pedindo 'misericórdia' do Hamas , e brincaram com o panorama da votação das eleições no nordeste, região em que o adversário, Fernando Haddad (PT), obteve mais votos. Veja alguns dos memes





















O Hamas é apontado como um grupo terrorista pelos Estados Unidos e Israel. Por conta disso, a hashtag foi criticada por eleitores de Bolsonaro, que chegaram a dizer que a esquerda tem "ligação com o crime organizado e o terrorismo". 

Leia também: Flávio Bolsonaro sai em defesa de Maia e contraria opinião do irmão Carlos










O Hamas, movimento palestino que controla a Faixa de Gaza, criticou a visita do presidente brasileiro a Israel, que também estava acompanhado de Flávio Bolsonaro . Em nota, o grupo pediu que o Brasil revertesse sua política para a região e que a Liga árabe pressionasse o governo brasileiro a por fim ao apoio à ocupação israelense dos territórios palestinos. O Hamas afirmou ainda que a visita não apenas contradiz a histórica atitude do povo brasileiro de apoio à causa palestina, mas também viola leis internacionais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.