Tamanho do texto

Ministra dos Direitos Humanos e da Mulher participa de audiência na Câmara dos Deputados e foi questionada sobre declarações machistas

Damares Alves em audiência da Câmara dos Deputados
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Damares Alves em audiência na Câmara dos Deputados


Em audiência na Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, voltou a dizer que a mulher é submissa ao homem no casamento. Mas afirmou que isso é uma questão de fé e que não a torna menos capaz de ser ministra.

Leia também: "Como ele é lindo, meu Deus", diz Damares sobre deputado Túlio Gadêlha

"Essa é uma fala que fiz dentro da minha igreja. Dentro da doutrina cristã, sim. Dentro da doutrina cristã, lá dentro da igreja, nós entendemos que um casamento entre homem e mulher, o homem é o líder do casamento. Então essa é uma percepção lá dentro da minha igreja, dentro da minha fé. Eu quero dizer que todas mulheres devem ser submissas? Abaixar a cabeça para o patrão, para o agressor, para os homens que estão aí? Não. Mas dentro da minha concepção cristã, a mulher sim no casamento é submissa ao homem", disse Damares .

Leia também: Damares promete lutar para que mulheres tenham maior participação na política

A ministra também reclamou dos ataques a ela, que teria sido retratada como uma louca.

"Enquanto tentam me desqualificar tem mulheres morrendo, sendo abusadas", defendeu a ministra.

Leia também: Deputados do PSL tomam conta de comissão presidida pelo PT e blindam Damares

Questionada sobre os impactos da flexibilização das regras para posse de armas sobre a violência contra a mulher, ela afirmou:

"Eu tenho sido o mais imparcial possível naquele ministério. Fui acusada há muito tempo de que uma pastora ia assumir o ministério e ia fazer uma grande igreja. Quem está ministra é a ativista, advogada Damares . A pastora está na igreja. Então, as minhas intenções pessoais sobre desarmamento, gostaria de deixá-las para um segundo momento. O que nós podemos fazer é um debate bem técnico. sobre o impacto disso na violência contra a mulher", defendeu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.