Tamanho do texto

Ministro da Secretaria de Governo participará de uma audiência pública na Câmara; vídeo foi divulgado nas redes sociais do Planalto no dia 31 de março

ministro da Secretaria de Governo, General Santos Cruz
Rovena Rosa/Agência Brasil
General Santos Cruz foi convidado a esclarecer publicação do vídeo em audiência na Câmara

O ministro da Secretaria de Governo, General Carlos Alberto do Santos Cruz, vai participar de uma audiência pública na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (16). A expectativa é que o ministro preste esclarecimentos sobre a  divulgação de um vídeo em comemoração aos 55 anos do golpe militar de 1964, que foi divulgado em redes sociais do Palácio do Planalto no dia 31 de março.

Leia também: Maioria acha que data do golpe de 1964 deveria ser desprezada, aponta Datafolha

O vídeo que celebra o golpe foi duramente criticado por parlamentares da oposição. “Com 1 minuto e 55 segundos de duração, o vídeo tenta forçar a velha narrativa, já tantas vezes repudiada e rejeitada em livros de história, de que ‘havia uma revolução comunista prestes a ser deflagrada no País, e que teria sido contida graças à bravura do Exército brasileiro’”, disse a deputada Erika Kokay (PT-DF), que solicitou o comparecimento do ministro à Comissão.

O vídeo foi transmitido pelo Whatsapp do Planalto e foi mais um capítulo da polêmica relação do presidente Jair Bolsonaro com a ditadura. Bolsonaro já havia recomendado que as Forças Armadas fizessem as 'comemorações devidas' na data, e foi questionado.

Na época, a assessoria do Palácio do Planalto confirmou que o vídeo foi, de fato, divulgado por um de seus canais oficiais, mas afirmou que não se pronunciaria sobre o material.

Leia também: Empresário diz que bancou vídeo sobre golpe de 64 divulgado pelo Planalto 

“O fatídico golpe de 64, ou qualquer golpe, deve ser repudiado pelas instituições brasileiras, jamais comemorado. O atual governo comete crime de responsabilidade, ao incentivar esse revisionismo histórico. Houve, sim, uma ditadura. É um desrespeito para os torturados e assassinados, é um desrespeito ao bom senso e às instituições, propor a comemoração de um crime contra o Brasil”, criticou Erika Kokay em relação ao vídeo.