Tamanho do texto

Tribunal Superior Eleitoral confirmou a aplicação da multa de R$ 53.205; pena foi imposta pela prática de abuso de poder político por parte da chapa

Luiz Fernando Pezão
Tomaz Silva/Agência Brasil - 6.11.18
Defesa de Luiz Fernando Pezão nega que governador tenha recebido R$ 39 milhões em propina no Rio de Janeiro

Por maioria, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) acatou o recurso do Ministério Público Eleitoral (MPE) e determinou a cassação, com a consequente declaração de inelegibilidade, do ex-governador Luiz Fernando de Souza, o Pezão, do Rio de Janeiro, e de seu vice, Francisco Dornelles, por abuso de poder político e conduta vedada praticados nas eleições de 2014.

Leia também: Polícia encontra valor cinco vezes maior do que o permitido na cela de Pezão

O TSE confirmou a aplicação da multa de R$ 53.205,00. A pena foi imposta pela prática de abuso de poder político por parte de Pezão e Dornelles, que concederam reajuste e remuneração básica a servidores efetivos, no período vedado pela legislação eleitoral.

O julgamento de ontem (9) foi retomado com a apresentação do voto-vista do ministro Admar Gonzaga. Ele acompanhou o entendimento do relator do processo, ministro João Otávio de Noronha.

Em fevereiro, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio ( TRE -RJ) tornou Pezão inelegível até 2022. A decisão foi tomada de forma unânime. Porém, Dornelles foi absolvido pela maioria.

Leia também: Ministro do STJ autoriza nova investigação contra Luiz Fernando Pezão

Pezão foi condenado por abuso de poder político e econômico por conceder benefícios financeiros a empresas como contrapartida a doações posteriores para a campanha eleitoral de 2014.

    Leia tudo sobre: impeachment