Tamanho do texto

Professor é tratado como um "guru" pelo presidente e já fez indicações em ministérios e secretarias, sobretudo no MEC; líder do Podemos acredita que ministro Augusto Heleno é mais preparado para aconselhar Bolsonaro

undefined
Reprodução
Ensaísta e filósofo Olavo de Carvalho é guru intelectual do governo Jair Bolsonaro (PSL)


O líder do Podemos na Câmara,  deputado José Nelto (GO), sugeriu ao presidente Jair Bolsonaro a substituição do professor Olavo de Carvalho pelo ministro Augusto Heleno(Gabinete de Segurança Institucional). A conversa foi em tom de brincadeira, mas Nelto afirma que as críticas a Olavo são sinceras. 

Leia também: Olavo de Carvalho sugere que três filhos de Bolsonaro virem ministros

"O Heleno estava na reunião e eu perguntei pra ele se era o guru do governo. Ele respondeu falando que o guru era aquele que morava nos Estados Unidos. Aí eu falei para o presidente que tem que trocar, porque aquele guru do Olavo de Carvalho lá não dá mais", conta o deputado.

O líder afirma que o partido manifestou ao presidente desejo de alterar a regra de aposentadorias para professores que consta no projeto de reforma da Previdência . O governo enviou o texto propondo 60 anos como idade mínima para homens e mulheres, e a legenda deseja que a idade seja de 55 anos.

Leia também: "Sem Olavo, estaríamos melhor", diz Frota sobre primeiros 100 dias de Bolsonaro

Nelto também manifestou contrariedade com a proposta do ministro Paulo Guedes (Economia) de destinar recursos de leilões de petróleo para estados e municípios. Ele defende que o dinheiro seja destinado exclusivamente para a educação e que a União busque outra forma de socorrer os estados.

Presidente nacional do Podemos , a deputada Renata Abreu (SP) afirmou que o partido não vai integrar a base do governo, mas é favorável à reforma da Previdência, "com algumas com algumas alterações que inclusive o próprio presidente já passou a considerar, como o BPC e o trabalhador rural".

"A posição do Podemos em qualquer governo é de independência. Nós somos muito contrários ao 'quanto pior, melhor' e essa posição vai se manter. Mas nós queremos ajudar, sim, o Brasil a funcionar, e que o governo ande e que as reformas avancem no Parlamento", disse a deputada.

Leia também: Entre polêmicas e exonerações, entenda o passo a passo da queda de Ricardo Vélez

A dirigente do Podemos também disse que o partido discute "redesenhar" o sistema de capitalização proposto pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que poderia ainda ser retirado do projeto "nesse primeiro momento", para que a reforma avance nos outros quesitos. Ela não fez críticas a Olavo de Carvalho como seu companheiro de partido.