Tamanho do texto

"Eles são o topo das organizações financeiras; eles são os donos dos jornais; eles são os donos das grandes empresas; eles são os donos dos monopólios", disse Abraham Weintraub durante uma palestre; confira o vídeo do ministro

Abraham Weintraub
Jorge William/Agência O Globo
Abraham Weintraub é economista e fez parte da equipe de transição do governo

Um vídeo do novo ministro da Educação, Abraham Weintraub falando sobre o "poder dos comunistas" viralizou nas redes sociais desde que ele foi anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro como titular da pasta. 

Leia também: Deputada apaga conta da web após ter histórico de posts sobre maconha descoberto

 "Eles [comunistas] são o topo das organizações financeiras; eles são os donos dos jornais; eles são os donos das grandes empresas; eles são os donos dos monopólios", diz  Weintraub , que dava uma palestra. Na sequência, o agora ministro reclama do fato da campanha de Bolsonaro não ter conseguido o apoio de nenhuma "grande instituição", pois todos estariam apoiando o candidato do PT, Fernando Haddad.

Confira o vídeo do novo ministro falando sobre comunistas :

Quem é Abraham Weintraub, novo ministro da Educação

Abraham Weintraub fez parte da equipe que fez a transição do governo Temer para o governo Bolsonaro. Ele e o irmão Arthur, que é advogado especializado em Previdência, trataram do tema e ajudaram a montar a proposta da reforma que foi apresentada pelo governo. 

Os dois são muito próximos do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Abraham, inclusive, ocupava o cargo de secretário-executivo da pasta, o número dois dentro do ministério.

O novo ministro da Educação é mestre em Administração na área de finanças pela Faculdade Getulio Vargas, além de ser formado em economia pela Universidade de São Paulo (USP).

Atualmente, Weintraub é docente na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), onde leciona disciplinas relacionadas à economia.

O novo ministro foi conselheiro econômico de Luciano Huck quando o apresentador cogitou se candidatar ao Planalto. Após a desistência do global, ele e o irmão foram apresentados a Bolsonaro por Onyx e passaram a integrar o time de apoiadores do capitão.

"Diante de ameaças é necessário lutar pelo país em que se vive. Os venezuelanos descobriram isso muito tarde. Perderam o controle de sua pátria e hoje são colônia dos ditadores que controlam Cuba. São escravos", disse Abraham ao jornal O Estado de São Paulo , em agosto do ano passado.

"Esquerda ou direita, acho que é uma rotulação pobre. Somos humanistas, democratas, liberais, lemos a Bíblia (Velho e Novo Testamento) e a temos como referência", completou o agora ministro, sobre as posições dele e do irmão.

Leia também: Conheça Abraham Weintraub, economista e novo ministro da Educação de Bolsonaro

Os dois já se envolveram em polêmicas com os próprios alunos da Unifesp. Após um comunicado do diretório acadêmico dizendo que os alunos "repudiavam a associação de nosso corpo docente à pessoa do senhor Jair Bolsonaro, já que coloca em jogo o princípio da instituição, e de nossos valores em defesa da educação pública, gratuita e socialmente referenciada", os professores subiram o tom contra os estudantes em uma resposta escrita, ao afirmar que eles "puxavam a nota da universidade para baixo" e que não tinham conhecimento para "dar lição de moral" 

"Ficamos muito indignados com a invasão de nossa vida pessoal. Foi patrulhamento ideológico puro, uma nota de repúdio à nossa liberdade. Fora do trabalho, nossa vida pessoal não diz respeito a ninguém. Não fizemos nada de ilegal, não utilizamos estrutura, dinheiro, e-mail, nada, absolutamente nada da Unifesp", disse Abraham Weintraub , que agora terá que lidar com um corpo muito maior de alunos.