Deputada Ana Campagnolo (PSL-SC) apagou as contas nas redes sociais após ter histórico de postagens sobre maconha descobertos
Reprodução
Deputada Ana Campagnolo (PSL-SC) apagou as contas nas redes sociais após ter histórico de postagens sobre maconha descobertos

A deputada estadual Ana Campagnolo (PSL-SC), se viu envolvida em um polêmica nas redes sociais na noite desta segunda-feira (8). Após ter um histórico de posts que indicavam que a parlamentar, que se intitula como "cristã, antimarxista e antifeminista", teria sido usuária de maconha quando mais jovem.

Leia também: Deputado bolsonarista quer proibir a venda de videogames "violentos" no Brasil

As publicações antigas da deputada falando sobre maconha foram compartilhadas no Twitter pelo youtuber e ativista antibolsonaro Cauê Moura, quem tem mais de 2,5 milhões de seguidores. Com isso, as postagens viralizaram e acabaram forçando a parlamentar a encerrar sua conta no Twitter.

Em uma das publicações, que foi feita em 2012, a então estudante escreveu: "alguma (c)ois(a) para co(n)seguir estud(ar) (b)em rap(i)dinho esses artigo(s)". As letras em destaque formam a palavra "canabis".

Em outra publicação, ela pergunta para os seguidores: "que eu farei nessa primeira semana de férias, sozinha em casa? Tomar Fluoxetina ou Cannabis". As postagens também foram compartilhadas por membros da oposição, que chamaram Campagnolo  de "moralista.

Apesar de ter apagado seu perfil no Twitter, Ana Campagnolo respondeu às críticas em outra rede social. Em uma postagem no Instagram, a deputada utilizou uma foto dela mesma fumando que também está sendo compartilhada por opositores. Na publicação ela afirma que se trata de um "nargilé de chicletes" e que fez a publicação "ironizando manés que se drogam na faculdade".

Antes de ficar famosa nas redes sociais por conta das postagens sobre maconha , a deputada estadual Ana Campagnolo já havia criado polêmica em todo o País após abrir um "canal informal" para que alunos denunciassem professores por "doutrinação ideológica". Por ordem do Supremo Tribunal Federal, a página foi tirada do ar.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários