Tamanho do texto

Presidente condicionou decisão sobre uma nova eleição a seu estado de saúde e ao sucesso de reformas propostas pelo governo durante quatro anos

undefined
MARCOS CORRÊA/ PR
Jair Bolsonaro falou sobre possibilidade de tentar a reeleição


O presidente Jair Bolsonaro admitiu na tarde desta segunda-feira (8) a possibilidade de sua reeleição em 2022. Bolsonaro condicionou uma eventual candidatura ao sucesso de reformas que sua gestão pretende implementar.

Leia também: 'Não vou ser mulher de malandro, de ficar apanhando e achando bom', diz Maia

Ao tratar sobre 2022, Jair Bolsonaro afirmou que vai propor uma reforma política que reduza o tamanho da Câmara e do Senado.

Ele também ponderou que só será candidato se seu estado de saúde mantiver o quadro atual de evolução. O presidente passou por uma cirurgia de reconstrução do trânsito intestinal após ser esfaqueado na barriga, em setembro, durante um ato de campanha.

"A pressão está muito grande para que se eu estiver bem, que me candidate à reeleição", disse o presidente, em entrevista à rádio Jovem Pan , no Palácio do Planalto. 

Leia também: "Não podemos continuar sangrando um ministério", diz Bolsonaro em entrevista

Bolsonaro prometeu que, caso seja candidato, fará diferente de outros políticos brasileiros, cuja reeleição acaba se tornando uma espécie de "desgraça" e que só se tonar possível por meio de acordos espúrios que levam a escândalos de corrupção. Ao fazer essa menção, Bolsonaro se referiu ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

"Não quero jogar dominó com ninguém em Curitiba", provocou o presidente, numa referência a capital do Paraná, onde Lula cumpre pena a 12 anos e um mês de prisão após a condenação no caso do tríplex do Guarujá.

Leia também: Bolsonaro debocha de resultado da pesquisa Datafolha: "Não vou perder meu tempo"

Bolsonaro reconheceu que a proposta de seu governo de reforma da previdência é impopular e afirmou que não teme que o projeto cause qualquer impecilho a uma eventual candidatura .

"Se eu pensasse em reeleição faria uma reforma light ou não faria. Mas poderia não sobreviver em 2022", concluiu Jair Bolsonaro .