Tamanho do texto

Em entrevista, ex-presidente afirmou que "ainda não viu nada" do governo: "Não sabe o que fazer com o país porque não foi eleito com base em projeto"

Fernando Henrique Cardoso
Reprodução/Fundação Fernando Henrique Cardoso
Em entrevista, ex-presidente fez críticas ao governo de Jair Bolsonaro: "Não vi nada até agora"

Em novembro do ano passado , quando foi questionado sobre a vitória de Jair Bolsonaro nas eleições, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que preferia esperar para ver as ações concretas do governo para poder avaliar. Agora, com a aproximação do marco dos 100 dias de comando do atual presidente, FHC se posicionou, e a análise não foi positiva.

"Por que Bolsonaro foi eleito? Ele falou temas que sensibilizaram: violência e corrupção, basicamente. Temas que pegaram a onda. Mas ele não disse 'eu vou fazer um Brasil de tal a qual modo'. Tanto que agora ele não sabe o que vai fazer", disse, em entrevista à BBC News Brasil.

Leia também:  Bolsonaro anuncia 13º salário para beneficiários do Bolsa Família

O ex-presidente afirmou que ainda não viu nada do novo governo e que as falhas são muitas, desde a falta de um projeto para o país até as dificuldade em se relacionar com o Congresso. Além disso, lamentou a falta de posicionamento maior de Bolsonaro na busca de aprovação da reforma da Previdência: "O presidente tem que se meter".

Relembre o histórico

Em novembro passado, o ex-presidente afirmou que o governo poderia prejudicar a imagem do Brasil no exterior. "Eu quero ver o que ele vai fazer. Uma coisa é o que as pessoas dizem na campanha, outra coisa é o que fazem. Se for [extrema-direita], contará com a minha oposição”, disse.

Depois, já em fevereiro deste ano, Fernando Henrique Cardoso afirmou que o início de qualquer governo é  "desordenado", mas que o atual "estava abusando" . Ressaltou ainda que a interferência dos filhos de Bolsonaro no mandato também era um fator de desestabilização que poderiam afetar todo o País.

Leia também: Governo afirma à ONU que não houve golpe em 1964

"Não dá para familiares porem lenha na fogueira. Problemas sempre há, de sobra. O Presidente, a família, os amigos e aliados que os atenuem, sem soprar nas brasas. O fogo depois atinge a todos, afeta o país. É tudo a evitar", disse.

Por fim, ao participar de entrevista ao lado do também ex-presidente Michel Temer , FHC disse que o presidente da República deveria afastar seus amigos e familiares da condução do governo, e atuar mais como "árbitro" de diferentes setores governo, do que como "torcedor".

"É preciso ser muito mais árbitro que torcedor. Você torce com o coração, você tem de se conter. As suas decisões precisam ir de acordo com o melhor para o País, não para o seu partido, para os seus amigos, ou para a sua família", disse o tucano.

Para ele, é "grave" quando a crise envolve diretamente o gabinete presidencial, e mais ainda quando a família do presidente está envolvida, algo que se tornou rotina quando se trata da família Bolsonaro .

Leia também: MDB acena apoio à reforma da Previdência, mas quer mudanças no texto

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.