Tamanho do texto

Douglas Garcia, do PSL de São Paulo, disse que falou com os pais e resolveu deixar pública sua homossexualidade: "Não diminui minhas bandeiras"

Deputado Douglas Garcia
Divulgação
Deputado Douglas Garcia assumiu a homossexualidade nesta sexta-feira (5)

O deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP) assumiu, nesta sexta-feira (5) que é homessexual. A anúncio veio exatamente um dia depois do parlamentar atacar a colega Erica Malunguinho (PSOL-SP), primeira deputada transgênero a ocupar uma cadeira na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) ao dizer que "tiraria um homem que se sente mulher a tapas" de um banheiro caso uma familiar dele estivesse utilizando.

Leia também: Deputado do PSL diz que tiraria "homem que se sente mulher" a tapas do banheiro

"Ele tomou uma decisão, e como ele está um pouco abalado, pediu para eu fazer essa comunicação por ele. Porque hoje, depois de 25 anos, ele conseguiu conversar com os pais e dizer que é homossexual", revelou a também deputada Janaína Paschoal, que é colega de partido de Garcia e disse que o deputado estava muito abalado.

Já no plenário, Douglas Garcia fez questão de dizer que sua orientação sexual "não diminui em nada as bandeiras que eu venho defendendo aqui na Assembleia Legislativa contra a ideologia de gênero".

Relembre a confusão envolvendo o deputado Douglas Garcia

Tudo começou quando Erica Malunguinho criticou um projeto de lei do deputado Altair Morais (PRB-SP), que estabelece "o sexo biológico como o único critério para definição do gênero de competidores em partidas esportivas oficiais no estado". A deputada argumentou que Morais tenta precarizar o processo de construção de cidadania das pessoas trans, que já estão em condição de precariedade. Ela ainda afirma que o projeto é inconstitucional e "um absurdo". 

Em seguida,  Douglas Garcia  apoiou a proposta do colega e rebateu Erica:  “Eu gostaria aqui de parabenizar o projeto de lei do deputado Altair Moraes. É um projeto de lei muito eficiente. Se por um acaso, dentro do banheiro de uma mulher, em que a minha irmã ou a minha mãe estiver utilizando, entrar um homem que se sente mulher, ou que pode ter alegado o que ele quiser e colocado o que quiser, porém eu não estou nem aí, eu vou tirar primeiro no tapa e depois chamar a polícia pra ir levar", afirmou. 

Leia também: Bolsonaro celebra ação da polícia que culminou na morte de onze suspeitos em SP

A parlamentar, por sua vez, pediu direito de resposta: “Eu exijo que esta Casa abra um processo por quebra de decoro parlamentar por incitação ao ódio. Ele acaba de incitar o ódio e a violência contra pessoas transexuais. Senhor deputado , aliás, nem deveria me dirigir ao senhor dessa forma, mas tenho educação, quero lhe dizer uma coisa: você não sabe absolutamente nada. Você não sabe o que está fazendo aqui", afirmou. A psolista ainda disse que vai pedir a cassaçãodo mandato do colega.