Tamanho do texto

Ex-presidente teria lavado dinheiro e agido de forma corrupta ao usar desvio de verbas das obras da usina nuclear de Angra 3 em reforma da casa de sua filha, Maristela Temer, também denunciada pelo MPF de São Paulo

undefined
Antonio Cruz/Agência Brasil
Michel Temer foi denunciado pela primeira vez em São Paulo


O Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP) protocolou denúncia contra o ex-presidente Michel Temer (MDB), sua filha Maristela Temer, Coronel Lima e sua esposa Maria Rita Fratezi Lima pelo crime de lavagem de dinheiro. O caso envolve uma reforma na casa da filha do emedebista que pode ter sido financiada por dinheiro desviado das obras da usina nuclear de Angra 3.  A ação ficará na 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo.

Leia também: Temer, Moreira Franco e mais 12 viram réus em ação da Operação Lava Jato

A denúncia é um desdobramento da investigação sobre o decreto dos Portos, que ainda apura se Michel Temer usou o decreto para beneficiar empresas. Estas estariam envolvidas também nas obras da usina nuclear de Angra 3.

De acordo com a denúncia, a casa de Maristela Temer, localizada em Alto de Pinheiros bairro nobre da cidade de São Paulo, passou por uma reforma em 2014. De acordo com notas fiscais e documentos encontrados durante a Operação Patmos, em 2017, tudo foi feito pela Argeplan, empresa de arquitetura e engenharia de João Batista Lima Filho, o Coronel Lima . Sua esposa, Maria Rita, seria  responsável pelas obras.

Leia também: MPF pede que Temer, Moreira Franco, coronel Lima e mais 5 voltem para a prisão

A reforma da moradia teve um custo de R$ 1,6 milhão e teria sido paga inteiramente através de dinheiro vivo vindo de Maria Rita Fratezi Lima pela Argeplan. Este dinheiro, investiga a Polícia Federal, pode ter vindo de desvios em Angra 3.

O caso foi enviado para a Justiça de São Paulo em janeiro, quando o ex-presidente perdeu o foro privilegiado e deixou de ser investigado pela Procuradoria-Geral da República. 

Em depoimentos à Polícia Federal em 2017, Maristela negou que as obras em sua residências tivessem sido pagas por Temer e que apenas ela era responsável pelas ações na casa. Ela também afirmou que sua sua mãe chegou a fazer um empréstimo bancário para ajudar nos custos.

Por meio de nota, o advogado de Temer, eduardo Carnelós negou a acusação, classificando-a como descabida e contraditória.

"A acusação hoje feita, além de absolutamente descabida e contraditória, também expressa a crueldade de quem, para persegui-lo, não se peja de envolver a filha dele, atingindo-o assim de forma ainda mais vil", disse o advogado.

Leia também: MPF diz que Temer ligou para Moreira Franco horas antes da prisão

Michel Temer chegou a ser preso preventivamente no dia 21 do último mês por decisão do juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro. Beneficiado com o despacho de um desembargador, deixou a prisão quatro dias depois. O caso também é relacionado com obras na usina nuclear de Angra 3.