Bolsonaro disse que atrito com Maia é
Divulgação
Bolsonaro disse que atrito com Maia é "página virada" durante evento militar

A crise entre os poderes executivo e legislativo parece superada para os pivôs das trocas de insultos.  Após o encontro entre o Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente da República, Jair Bolsonaro, também baixou o tom ao ser questionado sobre o atrito com Maia. Para o capítão reformado, a briga é "página virada."

Leia também: Bolsonaro e Maia protagonizam discussão sobre Previdência; veja falas e réplicas

"Para mim, isso foi uma chuva de verão. O sol está lindo e o Brasil está acima de nós. Um abraço para o Rodrigo Maia. O Brasil está acima de tudo. É uma chuva de verão. Outros problemas acontecerão com toda a certeza", declarou Bolsonaro, após receber a comenda da Ordem do Mérito Judiciário Militar

Promotora da reunião entre Maia e Moro, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) exaltou o "clima de paz" entre os dois. A líder do governo no Congresso ainda afirmou que o presidente da Câmara concordou com a ideia de analisar o pacote anticrime apresentado por Moro junto com a proposta da reforma da Previdência. "Vamos aprovar a Nova Previdência e o pacote Anticrime com serenidade e seriedade", escreveu Joice.

 Entenda o atrito entre Bolsonaro e Maia

Atrito entre Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia
Marcos Corrêa/PR
Atrito entre Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia

Tudo começou quando, Maia, um dos principais articuladores da reforma da Previdência no Congresso, foi criticado pelo vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente, em uma publicação nas redes sociais, durante a semana. 

Na publicação em questão, Carlos comentou um outro embate, entre Maia e o ministro da Justiça, Sergio Moro . Maia e Moro divergem em relação a votação do pacote anticrime apresentado pelo ministro e Carlos se posicionou ao lado do ex-juiz, criticando a decisão do deputado de priorizar a Previdência em detrimento do pacote. 

Leia também: Maia diz que governo não pode "terceirizar a articulação" da Previdência

A decisão de Maia, no entanto, era em respeito a uma combinação feita com o próprio presidente da República. Jair Bolsonaro havia solicitado a Maia que priorizasse tramitação da reforma da Previdência sobre qualquer outro tema. No entanto, diante das críticas do filho de Bolsonaro, o presidente da Câmara se irritou.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo , Maia teria dito ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que, se é para ser atacado nas redes sociais por filhos e aliados de Bolsonaro, o governo não precisa de sua ajuda. Com isso,  sinalizou que deixaria a articulação do tema. Mais tarde, em entrevista ao jornal O Globo,  na última sexta, Maia sinalizou que iria esperar o Planalto tomar as rédeas da articulação.

Desde então, Bolsonaro e Maia começaram a discutir. Em entrevista no Chile, o presidente afirmou, ainda na sexta, que " não deu motivos para Maia sair " e que queria conversar com o presidente da Câmara.

"Eu quero saber o motivo que ele está saindo [da articulação da Previdência]. (...) Estou sempre aberto ao diálogo. Eu estou fora do Brasil, mas quero saber qual o motivo, mais nada. Eu não dei motivo para ele sair", afirmou. Questionado sobre como trazer Maia "de volta" para a articulação, respondeu que era preciso conversar e comparou a situação com uma crise de namoro.

"Só conversando, não é? Você nunca teve uma namorada? E quando ela quis embora, o que você fez para ela voltar? Conversou? [...] Estou à disposição para conversar com o Rodrigo Maia, sem problema nenhum", declarou Bolsonaro.

Você viu?

Pela noite de sexta, Maia, ainda magoado, disse que o presidente precisava se engajar mais para cuidar da Previdência , em detrimento do seu conhecido engajamento nas redes sociais. Bolsonaro se comunica oficialmente pelo seu perfil no Twitter. 

"Ele [Bolsonaro] precisa ter um engajamento maior. Ele precisa ter mais tempo pra cuidar da Previdência e menos tempo cuidando do Twitter, porque, senão, a reforma não vai andar", afirmou. No entanto, Maia garantiu que iria continuar assumindo o seu papel de coordenação dos votos na Câmara. 

"O meu papel eu vou continuar cumprindo, coordenando dentro da Câmara a aprovação da reforma e [...] colocando de forma clara na figura do presidente da República a responsabilidade dele [de] conduzir, por parte do governo, a aprovação da reforma", disse. 

No último sábado (23), Maia fez um novo comentário sobre o assunto, retomando a discussão. "É importante que o governo acerte na articulação. E ele não pode terceirizar a articulação como ele estava fazendo. Quer dizer, transfere para o presidente da Câmara e para o presidente do Senado uma responsabilidade que é dele", diz.

E acrescentou: "E [ele] fica transferindo e criticando: 'Ah, a velha política está me pressionando, estão me pressionando'. Então ele precisa assumir essa articulação, porque ele precisa dizer o que é a nova política", disse.

Após ser informado sobre a declaração de Maia, Bolsonaro comentou a respeito da "velha política" e disse, na manhã de hoje, no Chile, que, mesmo "calado" e fora do Brasil, ocorrem atritos no País. "Alguns, não são todos, não querem largar a velha política , que infelizmente nos colocou nesta situação bastante crítica em que nos encontramos", afirmou.

Nesta tarde, antes de embarcar de volta ao Brasil, o presidente retomou o assunto e perguntou o que esperavam que ele fizesse. "O que é articulação? O que está faltando eu fazer? O que foi feito no passado? Eu não seguirei o mesmo destino de ex-presidentes, pode ter certeza disso", disse o presidente, se remetendo aos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Michel Temer (MDB), ambos presos.

"A bola está com ele [Maia]. Eu já fiz a minha parte. Entreguei. E o compromisso dele, regimental, é despachar e o projeto andar dentro da Câmara. Nada falei contra Rodrigo Maia, muito pelo contrário. Estou achando que está havendo um tremendo mal-entendido. O Brasil é maior do que todos nós", afirmou.

"O Rodrigo Maia, eu nunca o critiquei, eu não o critiquei. Não sei por que ele de repente está se comportando dessa forma um tanto quanto agressiva", continuou o presidente, incitando uma nova réplica de Maia.

Leia também: Bolsonaro nega demissão de Vélez e ataca imprensa na web: "Sofro com fake news"

"Eu vivo num país democrático, e dentro daquilo que vocês me perguntam, e que a sociedade me demanda, eu falo o que acredito. Sem nenhum tipo de agressão a ninguém, né? Até porque eu não uso as redes sociais para agredir ninguém", disse Maia.

Nesta quarta-feira (27), o parlamentar deu o primeiro sinal de trégua ao fezer um apelo para o presidente parar com as críticas. "Pare, chega. Peço ao presidente  Bolsonaro  que pare de criticar e que peça ao entorno para parar de criticar. A bolsa está caindo, a expectativa dos investidores está ficando menor. Então, ninguém ganha com isso e só o Brasil perde. Chega. Está na hora de parar. Vamos cuidar do Brasil", disse. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários