Tamanho do texto

Ex-presidente é acusado de beneficiar a Odebrecht durante o governo de Dilma para em troca a empresa financiar projetos pessoais de Luis Cláudio

Para a defesa de Lula, o relatório da PF é
Ricardo Stuckert
Para a defesa de Lula, o relatório da PF é "opinativo, com fragilidade jurídica e distanciamento da realidade dos fatos"

A Polícia Federal indiciou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o filho Luís Cláudio pelos crimes de lavagem de dinheiro e tráfico de influência. A investigação baseada em delações da Odebrecht apontam pagamentos ilícitos da empreiteira para a empresa de marketing esportivo Touchdown, de propriedade de Luís Cláudio.

Leia também: Dilma nega desvios em MP pró-montadoras: "Se tivesse, eu reportaria"

Segundo a investigação, ao longo dos anos, a empresa do filho de Lula recebeu mais de R$ 10 milhões de grandes patrocinadores, mas o capital social da empresa era de R$ 1 mil. As informações foram obtidas pela TV Globo.  A investigação foi remetida para varas especializadas em lavagem de dinheiro. O caso agora está sendo analisado pela Força Tarefa da Lava Jato em São Paulo.

De acordo com a Polícia Federal, o ex-presidente teria mantido contato com a Odebrecht para beneficiá-la no governo Dilma Rousseff, e, ‘como contrapartida, a empresa ficaria responsável por financiar projetos pessoais de seu filho, Luis Cláudio’.

Consta nos autos que ‘a partir disso, Alexandrino Alencar (Odebrecht) teria procurado a empresa ‘Concept’, com o intuito de beneficiar a empresa de Luis Claudio, Touchdown, a desenvolver o futebol americano no Brasil’.

“Adalberto Alves, representante da Concept, por sua vez, afirmou que a empresa foi principalmente remunerada pela Odebrecht, contudo prestou serviços para a empresa Touchdown: segundo consta, a Odebrecht teria arcado com valor aproximado de R$ 2 milhões, ao passo que a Touchdown teria desembolsado aproximadamente R$ 120 mil”.

Leia também: “Não precisamos de mais armas”, diz ex-presidente sobre massacre em Suzano

A juíza da 4ª Vara Criminal de São Paulo, Bárbara de Lima Issepi anota que ‘apesar das expressivas quantias pagas, não houve sequer a formalização de qualquer contrato’.

Ainda segundo o inquérito, os serviços prestados pela Concept à empresa de Luís Cláudio estavam, pelo menos, 600% acima do valor de mercado. Em depoimento, o diretor da Concept disse que a consultoria realizada para a Touchdow custou entre R$ 300 e R$ 400 mil.

A Polícia Federal também diz que Luís Cláudio usou um laranja para movimentar dinheiro ilícito. Os investigadores identificaram que uma empresa de recreação e produção de doces e salgados, que tem capital social de apenas R$ 1 real recebeu, só em 2013, cerca de R$ 846 mil da Touchdown. De acordo com a polícia, antes de começar a receber os valores da empresa de Luís Cláudio, a dona da empresa tinha renda mensal de apenas um salário mínimo.

Representantes da Confederação Brasileira de Futebol Americano também prestaram depoimento e disseram que não tiveram patrocínio anual e nem investimentos que durassem tantos anos, em valores tão expressivos, e sem formalizar um contrato.

Leia também: Palocci acusa ex-presidente de negociata na compra de helicópteros e submarinos franceses

Um relatório da Receita Federal, que faz parte do inquérito, também aponta indícios de irregularidades e omissão de receitas na movimentação financeira da Touchdown, os autores dizem que “causa estranheza que a empresa comprove pagamentos apenas a partir de dezembro de 2012, sendo que os serviços já eram prestados pelo menos desde março do mesmo ano. A defesa de Lula nega as acusações e classifica o relatório da PF de "opinativo, com fragilidade jurídica e distanciamento da realidade dos fatos".

    Leia tudo sobre: Lula