Tamanho do texto

Força-tarefa da Lava Jato se pronuncia por meio de nota após defesa de Lula contestar a sentença da juíza Gabriela Hardt no STF com perícia particular

Defesa de Lula tenta anular sentença de Gabriela Hardt
Ricardo Stuckert
Defesa de Lula tenta anular sentença de Gabriela Hardt


Um dia após a defesa do ex-presidente Lula entrar com um recurso no Supremo Tribunal Federal com uma perícia particular para  desqualificar a sentença da juíza Gabriela Hardt no caso do sítio de Atibaia, a Força-Tarefa da Lava-Jato se manifestou por meio de nota e acusou os advogados de criarem uma “”teoria da conspiração” sobre “perseguição política”.

Leia também: Gabriela Hardt ordena o confisco do sítio de Atibaia por ser produto de crimes

Segundo o Ministério Público do Paraná, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, a defesa de Lula se mostra inconformada com a sentença que condenou o ex-presidente a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A atitude de enviar uma perícia particular mostra a tentativa de “atacar a magistrada Gabriela Hardt”.

“O apego da defesa a aspectos secundários e marginais das sentenças condenatórias já proferidas em face do ex-presidente, manifestamente insignificantes, revela mais uma tentativa forçada de retirada do caso do Juízo competente, por meio do ataque à pessoa de seus julgadores”, diz a nota da Lava Jato .

Na visão dos promotores, os advogados têm o direito de recorrer da sentença, mas sem desvirtuar aspectos formais que, segundo a Força-tarefa, são irrelevantes para a decisão final.

De acordo com o laudo entregue pela defesa do petista, há “certeza técnica de que a sentença do sítio foi superposta ao arquivo de texto da sentença do tríplex, diante das múltiplas e extremamente singulares ‘coincidências’ terminológicas”. Assim, os advogados pedem que o STF suspenda a decisão de  Gabriela Hardt , que condenou Lula a 12 anos e 11 meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Leia também: Defesa de Lula recorre ao STF para anular decisões de Hardt no caso do sítio

O documento assinado por Celso Mauro Ribeiro Del Picchia, membro Emérito da Associação dos Peritos Judiciais do Estado de São Paulo, da International Association of Forensinc Sciences [IAFS], da Associação Brasileira de Criminalística [ABC] e da Asociación Latinoamericana de Criminalística, indica que o texto de Hardt apresenta frases com os mesmos conjuntos e construções características da redação de Moro.

A magistrada assumiu que usou o texto da primeira condenação de Lula , aplicada pelo por Sérgio Moro, em julho de 2017, como ‘modelo’ e já enviou as correções após receber embargos. A condenação de 12 anos e 11 meses, porém, está mantida.

    Leia tudo sobre: Lula