Tamanho do texto

Ministro se envolveu em polêmica por suspeita de ter repassado verbas públicas do PSL a candidaturas de laranjas; Bolsonaro pediu investigação

Gustavo Bebianno cancelou os compromissos oficiais nesta quinta-feira
Fernando Frazão/Agência Brasil - 18.10.18
Gustavo Bebianno cancelou os compromissos oficiais nesta quinta-feira

Em meio a uma crise no governo, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, cancelou todos os compromissos oficiais desta quinta-feira (14). O ministro é suspeito de ter repassado verbas públicas do PSL a supostas candidaturas de 'laranjas' durante as eleições do ano passado. 

Leia também: "Mentira absoluta", diz Carlos Bolsonaro sobre Bebianno ter falado com seu pai 

Entre os compromissos cancelados por Gustavo Bebianno nesta manhã estava prevista uma reunião com outros ministros para tratar da situação da Venezuela. Em seu lugar, ele enviou o secretário-geral da pasta, Floriano Peixoto. 

Entre os presentes na reunião estavam o general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Santos Cruz, ministro da Secretaria de Governo, Fernando Azevedo, ministro da Defesa, Pedro Gustavo Ventura Wollny, chefe de Gabinete do Ministério das Relações Exteriores e William Popp, encarregado de negócios da Embaixada dos EUA.

A presença do ministro também estava prevista na Solenidade de transmissão do cargo de Chefe do Centro de Comunicação do Exército, às 15h30. No entanto, depois das 11h a agenda foi atualizada e passou a exibir a mensagem "sem compromissos oficiais ". 

No último fim de semana, o jornal  Folha de S.Paulo  informou que o PSL repassou verbas públicas para uma candidata a deputada federal em Pernambuco e quatro em Minas Gerais, suspeitas de serem candidatas laranjas , ou seja, candidatas que não fizeram campanha efetivamente. 

Leia também: Moro diz que repasses a supostas candidaturas laranjas do PSL serão investigados

Os repasses teriam sido autorizados por Bebianno, que foi presidente do partido durante o período eleitoral. O ministro, por sua vez, nega as acusações, diz que não é protagonista de nenhuma crise e afirma, inclusive, que conversou com Bolsonaro três vezes por telefone enquanto ele estava no hospital, ressaltando um bom relacionamento com o presidente.

Em entrevista a  TV Record  ontem, o presidente disse que pediu que a Polícia Federal investigue a suspeita e afirmou que não conversou com o ministro sobre o assunto por telefone "em nenhum momento". "Se (o Bebianno) estiver envolvido e, logicamente, responsabilizado, lamentavelmente o destino não pode ser outro a não ser voltar às suas origens", disse. 

Em entrevista do BR18, do jornal O Estado de S.Paulo , Gustavo Bebianno afirmou que falaria nesta manhã com Bolsonaro e que não vai pedir demissão . “O que chamam de inferno eu chamo de lar”, disse.