Tamanho do texto

Salles relata histórias divergentes sobre o líder seringueiro reconhecido pela ONU e diz que o ativista político e ambientalista brasileiro é "irrelevante"

'É irrelevante. Que diferença faz quem é o Chico Mendes?', disse o ministro Ricardo Salles, após ser pressionado
Reprodução/TV Cultura
'É irrelevante. Que diferença faz quem é o Chico Mendes?', disse o ministro Ricardo Salles, após ser pressionado

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou nesta segunda-feira (11) que já ouviu referências positivas e negativas a respeito do líder seringueiro Chico Mendes, mas que o considera "irrelevante". Morto em 1988, o ativista político e ambientalista brasileiro é  reconhecido internacionalmente como a figura defensora da floresta amazônica.

Leia também: Após Brumadinho, ministro Ricardo Salles chama sistema de barragens de "arcaico"

"É irrelevante. Que diferença faz quem é o Chico Mendes ?", disse o ministro, após ser pressionado por jornalistas, durante entrevista no programa Roda Viva , da TV Cultura . Antes disso, Salles declarou ainda que não o conheceu e que tem "certo cuidado em falar de coisas", que não conhece.

"Eu escuto histórias de todo o lado. Do lado dos ambientalistas, mais ligados à esquerda, o enaltecimento do Chico Mendes. As pessoas que são do agro [agronegócio], da região, dizem 'o Chico Mendes não isso que é contado'", afirmou.

Perguntado por uma jornalista se seria possível chamar de irrelevante uma pessoa reconhecida pela ONU como defensor das causas da floresta amazônica, Salles declarou: "Mas a ONU reconhece um monte de coisa errada também".

A entrevista do ministro do Meio Ambiente na TV Cultura foi ao ar na noite de ontem, e contou com uma série de declarações a respeito da sua pasta.

Leia também: Apesar de "melhora significativa", Bolsonaro segue sem previsão de alta

Salles voltou a defender, por exemplo, um modelo de autolicenciamento ambiental e sustentou que a definição de "focos" em casos mais complexos poderá evitar a repetição de tragédias como o rompimento das barragens de Brumadinho, no último dia 25 de janeiro, e Mariana, em 2015.

Para o ministro do Meio Ambiente , a melhor opção para esse autolicenciamento seria um modelo no qual o licenciamento pudesse ser feito de forma automática, e que servisse, por exemplo, para o caso de uma pequena supressão de vegetação em área rural ou a troca do plantio de uma cultura por outra.

Leia também: Três ministros são enviados a Brumadinho; Bolsonaro deve chegar no sábado

A declaração a respeito de Chico Mendes foi feita no final do programa. Reveja o trecho abaixo.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.