Tamanho do texto

Exames realizados no último domingo apresentaram alterações, mas presidente está sem dor ou febre, segundo o boletim médico desta segunda

Porta-voz da Presidência da República, Otávio Santana do Rêgo Barros atualiza quadro clínico de Jair Bolsonaro
Isac Nóbrega/PR - 4.2.19
Porta-voz da Presidência da República, Otávio Santana do Rêgo Barros atualiza quadro clínico de Jair Bolsonaro

O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, disse nesta segunda-feira (4) que o presidente Jair Bolsonaro teve febre e agora está tomando antibiótico. A alta, que estava prevista para a próxima quarta-feira (6), foi adiada.

De acordo com Barros, Jair Bolsonaro está em Unidade de Cuidados semi-intensivos do Hospital Israelita Albert Einstein. O boletim médico informa que o presidente “apresentou, ontem [domingo (3)] à noite, elevação da temperatura (37,3 °C) e alteração de alguns exames laboratoriais."

O hospital informou ainda que "foi iniciado antibioticoterapia de amplo espectro e realizados novos exames de imagem. Identificou-se uma coleção líquida ao lado do intestino na região da antiga colostomia. Foi submetido à punção guiada por ultrassonografia e permanece com dreno no local. Está no momento sem dor, afebril, em jejum oral, com sonda nasogástrica e nutrição parenteral exclusiva."

Segundo o porta-voz , Bolsonaro já apresenta movimentos intestinais e teve dois episódios de evacuação. No boletim, os médicos informam ainda que o presidente "segue realizando exercícios respiratórios e de fortalecimento muscular no quarto. Por ordem médica, as visitas permanecem restritas".

Rêgo Barros ressaltou que o presidente não tem agenda prevista para os próximos dias. "Quarta-feira não será mais o dia de alta de nosso presidente, até porque ele entrou num estágio que está sendo administrado antibióticos por no mínimo sete dias. Então, se tivermos, a partir de hoje, já contarmos um prazo, este prazo não será antes desses sete dias, que é exatamente o tempo de ação do antibiótico para debelar eventual infecção que possa ser gerada", disse.

De acordo com o porta-voz, "os médicos ontem à noite, ao realizarem os exames, detectaram esse momento febril do presidente, e nos exames laboratoriais um aumento dos leucócitos. Então imediatamente administraram antibióticos de amplo espectro, de forma a atacar todas as possibilidades para eventual infecção."

Rêgo Barros disse ainda que "a partir dessa administração, foram acompanhando o estado clínico do presidente, por meio de exames de imagens, foi feito um exame de imagem ontem e hoje igualmente outro exame de imagem que foi o facilitador para a condução de uma sonda para retirada do líquido que se encontrava naquela região da cavidade abdominal."

Além da atualização do estado cliníco de Jair Bolsonaro , o porta-voz da Presidência fez um resumo do dia, reassaltando o projeto anticrime apresentado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, a  carta do presidente lida durante a sessão do Congresso e os trabalhos em Brumadinho (MG) .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas