Tamanho do texto

No documento, o ex-presidente aconselhava que ele dormisse no piso inferior da sua casa de dois andares, para lidar com problemas de locomoção

Vavá, irmão de Lula, morreu na última quarta-feira (30), em São Bernardo do Campo (SP)
Reprodução
Vavá, irmão de Lula, morreu na última quarta-feira (30), em São Bernardo do Campo (SP)

O ex-presidente Lula escreveu uma carta para o irmão Genival Inácio da Silva, o Vavá, e sua família, de acordo com a jornalista da Folha de S. Paulo , Mônica Bergamo. Semanas antes da morte de Vavá, Lula aconselhou que o irmão, que tinha problemas de locomoção, passasse a dormir no piso de baixo da sua casa de dois andares em São Bernardo (SP).

Leia também: Juíza nega o pedido do ex-presidente Lula para ir ao velório do irmão

Vavá morreu na última quarta-feira (30) aos 79 anos, vítima de câncer. Lula , que está preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, pediu autorização para comparecer ao velório e ao enterro do irmão, previsto para a tarde do mesmo dia. A juíza Carolina Lebbos, da Vara de Execuções Penais de Curitiba, negou o pedido do ex-presidente com base na justificativa de que a "permissão de saída será concedida pelo diretor do estabelecimento onde se encontra o preso".


A Superintendência da Polícia Federal, por sua vez, declarou-se "impossibilitada de garantir a ordem pública e a segurança do preso". O desembargador de plantão do Tribunal Regional Federal da 4ª região, Leandro Paulsen.

Leia também: "Decisões da Justiça têm de ser cumpridas", diz Moro sobre o caso de Lula

O caso foi parar no Supremo Tribunal Federal e o ministro Dias Toffoli autorizou a saída do ex-presidente, afirmando que a PF "não deveria obstar o cumprimento de um direito assegurado". No entanto, Toffoli determinou que o ex-presidente poderia apenas ir para uma unidade militar na região do ABC, para onde o corpo poderia ser levado.


Àquela altura, Vavá já estava sendo velado e foi sepultado minutos depois da decisão. O ex-presidente e seus advogados entenderam que não havia mais tempo hábil. Por isso, ele desistiu do deslocamento e permaneceu em Curitiba.  

Leia também: Lula chama atitude do Judiciário de “pura maldade” e líderes do PT atacam Moro

De acordo com a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, Lula afirmou que não o deixaram ir "por pura maldade". "Não posso fazer nada porque não me deixaram ir. O que eu posso fazer é ficar aqui e chorar", lamentou Lula. Líderes e militantes do Partido dos Trabalhadores usaram as redes sociais para criticar as decisões judiciais.


    Leia tudo sobre: Lula