Tamanho do texto

Juíza federal Carolina Lebbos Moura decidiu que Fernando Haddad não poderá mais visitar o ex-presidente e colega de partido todos os dias

Lula recebeu, em média, quase duas visitas por dia na prisão
Reprodução/JFPR
Lula recebeu, em média, quase duas visitas por dia na prisão

A juíza federal Carolina Lebbos Moura decidiu limitar as visitas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O colega de partido do ex-presidente, Fernando Haddad, não poderá mais fazer visitas em qualquer dia da semana. A decisão também afeta visitações de líderes religiosos.

Leia também: Há 1 ano, julgamento abria porta da prisão para Lula, que espera novas sentenças

O ex-prefeito de São Paulo, que é bacharel em direito, era nomeado como um dos defensores jurídicos de Lula.  "Claramente não se vislumbram indicativos da necessidade e utilidade na defesa dos interesses do executado na condição de pré-candidato. Como visto, a sua candidatura foi substituída pelo próprio partido. As eleições, ademais, já se findaram, não tendo a defesa comprovado nos autos a existência de processo ou qualquer medida concreta impugnativa que efetivamente conte com a atuação do procurador em questão, diz a sentença.

 Na procuração outorgada por Haddad , o ex-prefeito da capital paulista foi apontado "especialmente para a adoção das medidas necessárias para assegurar os direitos do outorgante na condição de pré-candidato à Presidência".

Agora, o substituto de Lula nas eleições presidênciais só poderá visitar o colega às quintas-feiras, na condição de amigo. A sentença da juíza reitera que  "Não há vedação à visitação ao detento, desde que observado o regime próprio das visitas sociais."

Outro benefício tirado de Lula pela juíza foi o de receber visitas de líderes religiosos todas as segundas-feiras. Agora, o petista terá direito a uma visitação por mês, o mesmo que todos os outros presos na Polícia Federal. O privilégio de Lula já havia sido questionado pelo Ministério Público Federal.

Leia também: Juiz nega pedido de Lula e agenda novo depoimento de Palocci sobre caças suecos

Na decisão, a juíza explica que Lula recebeu visitas de líderes das mais diversas crenças e "tais circunstâncias comprovam não se cuidar de assistência religiosa, nos termos legais, mas de visitas de religiosos. Evidente o desvio da finalidade da norma."

Luiz Inácio  Lula  da Silva está preso na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba desde 07 de abril condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro para beneficiar empreiteiras em negócios da Petrobras. Durante seu período encarcerado, o petista teve 572 visitas. Em média, o ex-presidente recebeu quase duas pessoas por dia.


    Leia tudo sobre: Lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.