Tamanho do texto

Ex-atleta confirma versão apresentada pelo filho mais velho do presidente e diz que pagou cerca de R$ 100 mil em espécie por imóvel na zona sul do Rio

Flávio Bolsonaro nega que tenha feito algo de errado no caso das movimentações bancárias de seu ex-assessor
LG Soares/ Agência Alerj
Flávio Bolsonaro nega que tenha feito algo de errado no caso das movimentações bancárias de seu ex-assessor

O ex-jogador de vôlei de praia Fábio Guerra afirmou nesta segunda-feira (21) que pagou cerca de R$ 100 mil em dinheiro ao hoje senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro, pela compra de um apartamento na zona sul do Rio de Janeiro, em 2017.

A versão vai de encontro com a explicação apresentada por Flávio Bolsonaro  em entrevista concedida nesse domingo (20) à TV Record a respeito de  novas informações de relatório produzido pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). O órgão identificou 48 depósitos em dinheiro na conta de Flávio, que totalizam R$ 96 mil, entre junho e julho de 2017 – mesmo período em que Guerra realizou o pagamento ao senador pelo imóvel em Larajeiros, vendido por R$ 2,4 milhões.

Segundo o ex-atleta, o pagamento foi realizado em dinheiro porque ele havia recebido desse modo, em espécie, pela venda de outro imóvel àquele tempo. A informação é do jornal Folha de S.Paulo .

O Coaf havia considerado suspeitos os depósitos na conta de Flávio, uma vez que eles foram efetuados de maneira fragmentada, o que poderia representar o desejo de ocultar a origem do dinheiro. O filho do presidente disse que os depósitos foram realizados por ele próprio, no autoatendimênto da agência que fica dentro da Alerj, com envelopes contendo R$ 2 mil cada, porque esse é o valor máximo permitido pelo banco para esse tipo de transação.

Leia também: MP-RJ afirma que promotores não participaram de manifestação pró-Dilma

Em nota, o advogado que representa Fábio Guerra , Antonio Carlos Marques Fernandes, destacou que a transação de compra entre ele e Flávio se deu "de forma transparente e dentro do que determina a lei".

"As especulações que são feitas são abusivas uma vez que a operação imobiliária foi registrada em todos os órgãos de controle, respeitando todos os preceitos legais e fiscais e que os valores pagos e depositados pelo Fábio Guerra foram registrados em cartório e com seus impostos devidamente recolhidos", diz o texto.

As suspeitas acerca do gabinete de Flávio Bolsonaro enquanto deputado estadual do Rio de Janeiro surgiram após o Coaf identificar, em outro documento, movimentações consideradas "atípicas" em contas do ex-assessor Fabrício Queiroz. A investigação sobre o caso, tocada pelo Ministério Público do Rio (MP-RJ)  está suspensa, por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.