Tamanho do texto

Senador reclamou das recentes declarações do coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no MPF sobre a votação para a presidência do Senado

Renan Calheiros (MDB) é candidato a reassumir presidência do Senado, que deve ter votação fechada
Divulgação/MDB
Renan Calheiros (MDB) é candidato a reassumir presidência do Senado, que deve ter votação fechada

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) chamou o coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Ministério Público Federal (MPF), Deltan Dallagnol, de ser “um ser possuído”. O parlamentar, que é investigado na Lava Jato, criticou as recentes declarações do procurador sobre a votação para a Presidência do Senado .

“Deltan Dallagnol @deltanmd continua a proferir palavras débeis, vazias, a julgar sem isenção e com interesse político, como um ser possuído”, escreveu Renan Calheiros em sua conta no Twitter.

Pelas redes sociais, Dallagnol tem incentivado seus seguidores a assinar um abaixo assinado que pede votação aberta para presidência do Senado . “Mais de 500 MIL PESSOAS estão pedindo o #votoaberto. É um grito da sociedade pelo direito de acompanhar a posição de seus representantes nessa escolha que pode ser tão importante quanto a eleição de um Presidente da República”, escreveu.

Leia também: PSL confirma pré-candidatura de Major Olimpio à Presidência do Senado

Na última quarta-feira (9), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, derrubou liminar do ministro Marco Aurélio que determinava que a votação para a presidência do Senado fosse aberta. Toffoli acatou pedido apresentado pelo próprio Senado – sob ordens de seu atual presidente, senador Eunício Oliveira (MDB-CE).

O ministro do STF considerou que a liminar de Marco Aurélio (concedida em dezembro, antes do recesso do Judiciário) viola o regimento interno da Casa e fere sua autonomia. O presidente do Supremo ressaltou que “inexiste necessidade de controle externo sobre a forma de votação adotada para sua formação".

No Senado, a reinstauração do voto secreto tende a beneficiar a candidatura de Renan, que já presidiu a Casa por três períodos. O emedebista não conta com o apoio aberto do presidente Jair Bolsonaro (PSL), o que dificultaria sua eleição caso não houvesse sigilo na votação.

Leia também: Toffoli nega pedido de Kim Kataguiri para votação aberta em eleição na Câmara

Renan Calheiros terá a concorrência certa do recém-eleito Major Olímpio (PSL-SP) e de nomes como Tasso Jereissati (PSDB-CE) e Simone Tebet (MDB-MS). A votação está agendada para o início da nova legislatura, em fevereiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas