Tamanho do texto

Magistrados interessados em ocupar a vaga de juiz titular devem se inscrever até o dia 21 de janeiro na página eletrônica do concurso interno do TRF-4

Sérgio Moro foi convidado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para assumir o Ministério da Justiça
Rafael Carvalho/Governo de Transição
Sérgio Moro foi convidado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para assumir o Ministério da Justiça

O presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, desembargador Thompson Flores, abriu nesta segunda-feira (7) edital para escolha do magistrado que vai substituir o ex-juiz e atual ministro da Justiça , Sérgio Moro, no comando da 13ª Vara Federal em Curitiba, responsável pelos processos da Operação Lava Jato.

Com a saída de Sérgio Moro para ocupar o cargo de ministro no governo do presidente Jair Bolsonaro, a 13ª Vara passou a ser comandada pela juíza substituta Gabriela Hardt, que deve continuar interinamente no cargo pelo menos até 30 de abril. Como substituta, ela não pode assumir de forma definitiva a vaga de Moro.

De acordo com o edital, os magistrados interessados em ocupar a vaga de juiz titular devem se inscrever até o dia 21 de janeiro na página eletrônica do concurso interno.

Qualquer juiz federal titular interessado que atue não só no Paraná, mas também em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul pode participar do concurso. Os três estados estão sob a supervisão do TRF4 , com sede em Porto Alegre.

Leia também: Léo Pinheiro contradiz Lula e diz que obras no sítio foram pedidas pessoalmente

A preferência pela vaga se dá pelo critério de antiguidade. O TRF4 possui sob sua jurisdição atualmente 233 juízes federais, dos quais oito ingressaram em 1994, sendo os mais antigos e, portanto, com preferência caso se interessem em assumir a Lava Jato. A escolha do novo titular da 13ª Vara é feita pelo Conselho de Administração do TRF4, após análise dos candidatos.

Moro foi convidado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para assumir o Ministério da Justiça, cujo foco será concentrado em duas frentes: o combate à corrupção e ao crime organizado. A pasta agrega o Ministério da Segurança Pública e parte do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Leia também: Lava Jato teve 'ápice' com Lula preso, mas vê futuro incerto pela saída de Moro

No último dia 2, com um discurso firme e categórico, o agora ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro , reiterou que suas prioridades são o combate à corrupção e violência. Segundo o ex-juiz, um plano anti-corrupção está sendo finalizado para ser enviado ao Congresso Nacional e, paralelamente, deverá ser definida uma parceria de cooperação com os Estados para ampliar o sistema de segurança pública em todo país.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.