Tamanho do texto

Durante discurso, Ernesto Araújo fez diversas citações e afirmou que o presidente Jair Bolsonaro irá “libertar o Brasil através da verdade”

Diplomata, novo ministro das Relações Exteriores iniciou a carreira no Itamaraty em 1991
Flickr/ Ministério das Relações Exteriores
Diplomata, novo ministro das Relações Exteriores iniciou a carreira no Itamaraty em 1991

O novo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, atacou o "globalismo" ao assumir o cargo nesta quarta-feira (2). "Não mergulhemos nessa piscina sem água que é a ordem global", afirmou o novo chanceler. Segundo ele, o Itamaraty "existe para o Brasil e não para a ordem global".

"Por muito tempo o Brasil dizia o que achava que devia dizer, queríamos ser o bom aluno na escola do globalismo e achávamos que isso era tudo. Éramos um país inferior", criticou o agora ministro das Relações Exteriores .

Ele discursou em cerimônia de transmissão do cargo na sede do ministério. Durante sua fala, Araújo fez diversas citações e afirmou que o presidente Jair Bolsonaro irá “libertar o Brasil através da verdade”. "O presidente Jair Bolsonaro chegou até aqui porque diz o que sente, porque diz a verdade", declarou.

Leia também: Onyx vai exonerar mais de 300 servidores para promover "despetização" do governo

O novo ministro também cometeu uma gafe: creditou a Renato Russo devido à música Monte Castelo a frase “é só o amor que conhece o que é verdade”. No entanto, a citação é do livro Coríntios. Ele também utilizou trechos de uma música de Raul Seixas para compor sua fala.

Araújo citou ainda "Don Quixote" para falar que, enquanto outros disserem que o país não é isso tudo o que o ministro e Bolsonaro pensam que é, o Brasil sabe o que é.  Segundo o ministro, há no país um ódio contra a cultura e os valores nacionais, bem contra Deus. E é isso que precisa ser revertido. 

Segundo Araújo, a política externa do Brasil "vem se atrofiando com medo de ser criticada". "Não tenham medo de ser criticados", afirmou. Ele disse que é preciso recuperar o Itamaraty como "o guardião da continuidade memória brasileira". "Nos apegamos muito à nossa própria imagem e fizemos dela uma espécie de medo. Não teremos medo do povo brasileiro, somos parte do povo brasileiro."

Leia também: “Estado é laico, mas esta ministra é terrivelmente cristã”, diz Damares Alves

O novo ministro das Relações Exteriores sucede Aloysio Nunes, que ocupou o posto no governo Michel Temer. Diplomata, Araújo iniciou a carreira no Itamaraty em 1991 e, no ano passado, chegou ao posto de embaixador.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.