Tamanho do texto

No Planalto, presidente recém-empossado recebeu faixa presidencial de Temer e repetiu bravata para público: "Nossa bandeira jamais será vermelha"

Jair Bolsonaro saúda a população após receber a faixa presidencial
Marcelo Camargo / Agência Brasil
Jair Bolsonaro saúda a população após receber a faixa presidencial

O recém-empossado presidente da República , Jair Bolsonaro (PSL), convocou a população brasileira a "restabelecer padrões éticos e morais" e prometeu "libertar" o País do socialismo e do que chamou de "politicamente correto".

Leia também: Bolsonaro promete proteger a democracia e propõe "pacto nacional" em 1º discurso

 "Me coloco diante de toda a nação nesse dia como o dia em que o povo começou a se libertar do socialismo, se libertar da inversão de valores, do gigantismo de estatal e do politicamente correto. As eleições deram voz a quem não era ouvido, e a voz das ruas e das urnas foi muito clara. Estou aqui para responder e, mais uma vez, me comprometer com esse desejo de mudança", exclamou Jair Bolsonaro em seu segundo discurso como presidente empossado, no Palácio do Planalto.

Voltado a uma multidão que se concentrou desde cedo na Praça dos Três Poderes, o novo presidente agitou uma bandeira do Brasil e repetiu bravata popular entre seus apoiadores e adeptos do antipetismo: "Esta é a nossa bandeira, que jamais será vermelha", disse Bolsonaro, aclamado como 'mito'. "Só será vermelha se for preciso o nosso sangue para mantê-la verde e amarela", emendou o capitão da reserva do Exército.

O presidente reafirmou sua proposta de fazer um governo distante das práticas da política tradicional. "Respeitando os princípios do Estado Democrático de Direito, guiados por nossa Constituição e com Deus no coração, a partir de hoje, vamos colocar em prática o projeto que a maioria do povo brasileiro democraticamente escolheu. Vamos promover as transformações que o País precisa. Graças a vocês, conseguimos montar um governo sem conchavos ou acertos políticos. Formamos um time de ministros técnicos e capazes para transformar nosso Brasil", gabou-se.

"A corrupção, os privilégios e as vantagens precisam acabar. Os favores politizados, partidarizados devem ficar no passado, para que o governo e a economia sirvam de verdade a toda nação", continuou.

Leia também: Jornais do mundo repercutem a posse de Jair Bolsonaro como presidente

Bolsonaro, no entanto, alertou em seu discurso que "há muitos desafios pela frente" e pregou o combate a "ideologias nefastas" capazes de dividir os brasileiros. "Essas ideologias destroem nossos valores e tradições, destroem nossas famílias, alicerce da nossa sociedade. Convido a todos para iniciarmos um movimento nesse sentido. Podemos, eu, você e as nossas famílias, todos juntos, reestabelecer padrões éticos e morais que transformarão nosso Brasil."

Ainda em sua ronda de críticas a " ideologias " (palavra citada cinco vezes em seu breve discurso), Bolsonaro condenou a "ideologização de nossas crianças" nas escolas e também o que chamou de "desvirtuamento dos direitos humanos". 

"É urgente acabar com a ideologia que defende bandidos e criminaliza policiais. V amos em busca de um novo tempo para o Brasil e para os brasileiros. Vamos restabelecer a ordem neste País. Sabemos do tamanho da nossa responsabilidade, mas sabemos aonde queremos chegar e do potencial que o nosso País tem", continuou. "Peço ao bom Deus que nos dê sabedoria para conduzir a nação. Que Deus abençoe esta grande nação. Brasil acima de tudo, Deus acima de todos", finalizou Jair Bolsonaro , citando o lema de sua campanha nas eleições de 2018.