Tamanho do texto

Flávio Bolsonaro diz que eleição de seu pai expressa desejo popular em trocar "sindicalistas" por militares no Planalto; dos 20 ministros já indicados até o momento, seis são militares, além do próprio presidente e seu vice

Flávio Bolsonaro, senador eleito pelo Rio de Janeiro e filho do presidente eleito
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Flávio Bolsonaro, senador eleito pelo Rio de Janeiro e filho do presidente eleito

O senador eleito pelo Rio de Janeiro Flávio Bolsonaro (PSL), filho do presidente, disse nessa segunda-feira (3) que seu pai foi eleito para colocar militares no comando do Palácio do Planalto. Ele também falou que não apoiará Renan Calheiros (MDB-AL) e nem Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência do Senado e da Câmara. 

Leia também: Opositor, Flávio Bolsonaro espera que Pezão fique mais de 100 anos preso

“O Jair foi eleito para colocar militar lá dentro. Se fosse para pôr ladrão, votava no PT”, disse Flávio Bolsonaro  em entrevista à Globonews . Dos 20 ministros indicados até o momento, seis são militares, além do presidente eleito e seu vice, o general Hamilton Mourão (PRTB). 

"As Forças Armadas são uma das instituições mais respeitadas do País. A fama dos militares brasileiros é de serem pessoas honestas, patriotas. Ninguém aguentava mais a escolha somente de sindicalistas e pessoas que entravam só para fazer negociatas. A população está vendo isso e sabendo fazer essa leitura", completou. 

Para ele, se Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) foram presidentes, Bolsonaro "dará banho nisso fácil". Em relação à disputa pela presidência do Senado, Flávio afirmou que seu pai não interfere em nada, mas a recomendação de Onyx Lorenzoni, coordenador do governo de transição e futuro ministro da Casa Civil, é para que aguardem mais um pouco.

O senador eleito ainda disse que "não há condições" para que Renan Calheiros presida o Senado e Rodrigo Maia e Câmara dos Deputados em 2019. "Esses nomes precisam entender que estamos vivendo um novo momento. As urnas mostraram que a população quer mudanças e tanto Renan quanto Maia não contemplam essa vontade", defendeu, citando o nome do deputado Espiridião Amin (PP-SC) como opção para o comando da Câmara.

Em seu primeiro mandato no Senado, Flávio prometeu atuar fortemente na área da segurança pública, lutando pela redução da maioridade penal e o endurecimento do processo penal. O senador também colocou como prioridade a aprovação do projeto Escola sem Partido. 

Leia também: Após seis tentativas e confusões, Escola sem Partido é lido e avança na Câmara

Sobre a mudança da embaixada brasileira de Israel para Jerusalém, o filho mais velho de Bolsonaro afirmou que "já está decidido". Ele explicou que Jerusalém é capital para o governo israelense, que é reconhecido por Bolsonaro, então para ele a mudança seria lógica. 

Flávio também informou que seu pai ainda não decidiu o destino do Ministério dos Direitos Humanos e que, pessoalmente, é a favor da pasta para mostrar que o governo Bolsonaro se importa com a área mas, para ele, o ministério precisa de um "direcionamento". 

"Isso pode ser importante para mostrar que ele [Jair Bolsonaro] é a favor dos direitos sim, mas sob um novo direcionamento, e não da forma atual, em que eles são explorados de forma ideológica, colocando brasileiros uns contra os outros", disse. Caso a pasta seja mantida, Flávio confirmou o nome de Damares Alves, assessora do senador Magno Malta (PR) como candidata a ministra.

Leia também: Brasil anuncia que não vai mais sediar a Conferência do Clima da ONU em 2019

Flávio Bolsonaro rebateu as críticas de que o futuro governo não se preocupe com as questões ambientais. "Não é uma questão menor para a gente, pelo contrário. Mas a estrutura está totalmente aparelhada pela ideologia, pela esquerda". Segundo ele, três nomes ainda estão sendo cotados para o Ministério do Meio Ambiente, entre eles, o do agrônomo Xico Graziano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.