Tamanho do texto

Polícia rastreia propina depositada por lobistas na conta de um empresário ao ex-presidente do Senado, que negou, veementemente, tais acusações

Por conta desta investigação, senador Renan Calheiros (PMDB-AL) pode ser denunciado por corrupção passiva
Geraldo Magela/Agência Senado - 4.4.17
Por conta desta investigação, senador Renan Calheiros (PMDB-AL) pode ser denunciado por corrupção passiva

A Polícia Federal associou depósitos de cerca de US$ 3 milhões em contas na Suíça ao senador Renan Calheiros (MDB-AL). De acordo com a investigação, o dinheiro seria propina vinda de lobistas para as contas do empresário Walter Faria, dono da cervejaria Itaipava, que teria repassado a quantia ao senador e ao MDB. As informações são do jornal O Globo .

Leia também: Bolsonaro descarta criação de exame de avaliação de médicos formados no Brasil

Procurado, Renan Calheiros negou as acusações e afirmou que a denúncia, que é de corrupção passiva, não será aceita no judiciário. O senador, que é potencial candidato à presidência da casa em 2019 está internado para se tratar de uma pneumonia, fez postagens em suas redes sociais neste domingo (24).

"Desde ontem, dedico-me a tratar breve pneumonia. Ainda não sei se serei candidato à presidência do Senado . Se por um lado ocupei esse cargo quatro vezes, não tenho a mesma vontade de antes", escreveu Renan sobre a possibilidade de retornar à presidência do Senado. 

"Por outro lado, nunca será razoável Executivo forte, Judiciário forte e Legislativo fraco. Mas, desde logo, desejo ao presidente eleito e ao presidente do STF muita sabedoria", completou o senador.

Leia também: Venezuelanos estão envolvidos "na maior parte dos crimes", diz futuro governador

Depois, o senador ainda parabenizou o time alagoano CSA pelo acesso à Série A do Campeonato Brasileiro até, enfim, escrever sobre a denúncia. "Continuo aqui no hospital, mas essa gente não para! Matéria hoje d' O Globo faz ilações sobre ligações minhas com Walter Faria, que não conheço; com Bruno Luz, que também não conheço; e com Jorge Luz, que encontrei uma vez há mais de 20 anos", defendeu-se.

Em outra postagem, Renan aponta o dedo para ex-deputado Eduardo Cunha e sobe o tom contra as acusações. "A própria delegada diz que não há provas contra mim. No inquérito, já ficou demonstrada a ligação de negócios de Jorge e Bruno Luz, Eduardo Cunha, Fernando Baiano e Zelada. Nunca tive negócios com essa corja. A chance de provarem que alguma vez me envolvi com falcatruas é zero!", afirmou.

Em nota, a assessoria do empresário Walter Faria disse que a acusação é “insustentável”. “Não houve por parte de Walter Faria qualquer tipo de repasse a políticos ou agentes públicos”, diz a nota.

Ainda segundo a reportagem, a PF também apontou indícios de envolvimento do deputado Aníbal Gomes (DEM-CE) e seu ex-assessor Luís Carlos Batista Sá, além do ex-ministro de Minas e Energia Silas Rondeau. Já o senador Jader Barbalho (MDB-PA), também citado nas  delações foi excluído porque os investigadores não encontraram evidências contra ele.

Júlio Camargo, um dos primeiros delatores da Lava Jato , e Jorge Luz, são os dois lobista que delataram o esquema.

O relatório PF, assinado pelo delegado Thiago Delabary, dá detalhes de como o empresário teria feito para repassar a propina para o senador, e já foi enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 6 de setembro e agora está na Procuradoria Geral da Republica, que vai aceitar ou não a denúncia contra o emedebista.

Leia também: PGR pede prorrogação de inquéritos contra Maia, Renan e Lobão

Até agora, Renan Calheiros foi acusado apenas uma vez pela Operação Lava Jato e teve a denúncia rejeita pelo Supremo Tribunal Federal. Ele é senador pelo estado de Alagoas desde 1995.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.