Tamanho do texto

Tereza Cristina, que deve assumir a pasta da Agricultura, é citada por delatores em caso sobre incentivos fiscais do governo do Mato Grosso do Sul

Deputada federal Tereza Cristina é a futura ministra da Agricultura do governo de Jair Bolsonaro
Antonio Cruz/Agência Brasil
Deputada federal Tereza Cristina é a futura ministra da Agricultura do governo de Jair Bolsonaro

O presidente eleito Jair Bolsonaro disse neste domingo (18) que a futura ministra da Agricultura , a atual deputada Tereza Cristina (DEM-MS), “goza de toda a confiança” de sua equipe. Confirmada há 11 dias para assumir o ministério no futuro governo, a parlamentar teve o nome citado por suposto acordo firmado com a JBS.

“Eu também sou réu no Supremo. Tenho que renunciar? Ela [ Tereza Cristina ] já foi julgada? É apenas um processo representado, [assim] como já fui representado umas 30 vezes na Câmara e não colou nenhuma”, afirmou Bolsonaro ao deixar a Arena Carioca 1, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, depois de acompanhar as finais do evento de Jiu-Jitsu Abu Dhabi Grand Slam Rio.

Em seguida, o presidente eleito acrescentou que: “Sou um ser humano e posso errar. Se algum ministro tiver uma acusação grave comprovada a gente toma uma providência. No momento ela goza de toda a nossa confiança.”

Leia também: Ruralista, futura ministra da Agricultura promete frear "indústria de multas"

A deputada federal é citada por delatores da JBS em acordo firmado no ano passado sobre incentivos fiscais do governo do Mato Grosso do Sul, de acordo com reportagem publicada pela Folha de S.Paulo. Na época, a deputada mantinha uma “parceria pecuária” com a empresa dos irmãos Joesley e Wesley Batista.

No entanto, segundo a reportagem, o negócio particular entre Tereza e os Batista , fechado nos anos de 2011 e 2012, teve uma relação tumultuada, e hoje a JBS cobra de Tereza na Justiça um total de R$ 14 milhões, em valores atualizados.

Leia também: Futura ministra diz que Pesca e Incra podem entrar na pasta de Agricultura

Segundo a reportagem, os delatores entregaram à Justiça documentos com a assinatura da parlamentar no período em que ocupava o cargo de secretária estadual de Desenvolvimento Agrário e Produção do Mato Grosso do Sul.  Tereza Cristina foi secretária do agronegócio do então governador André Puccinelli (MDB-MS) de 2007 a 2014. 

* Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.