Tamanho do texto

Cirurgião ponderou que "ama o presidente", mas admite ter ficado com "lágrima nos olhos" por "não poder ajudar a nação"; vice-presidente do PEN estuda aderir à Marinha dos EUA: "Não preciso de dinheiro brasileiro"

Dr Rey foi ignorado ao visitar Bolsonaro para se oferece para o cargo de ministro da Saúde
Reprodução/Twitter
Dr Rey foi ignorado ao visitar Bolsonaro para se oferece para o cargo de ministro da Saúde

O excêntrico cirurgião Dr. Rey, vice-presidente nacional do PEN, lamentou por ter ficado de fora da equipe do governo do presidente eleito , Jair Bolsonaro (PSL), e se disse "humilhado". 

"O Brasil escolhe modelos pornô, palhaços e funkeiros para serem deputados. Eu queria, como direita, participar e criar um grande Brasil. Fiz o máximo possível, até me humilhei e fui lá...",  reclamou  Dr. Rey , lembrando de visita feita na semana passada à casa de Bolsonaro, no Rio de Janeiro. O cirurgião acabou não sendo recebido.

"Eu tô numa era da minha vida que eu quero prestar serviços à minha nação. Os mórmons me ensinaram: 'Deus, Família e Nação'. Eu sei que o brasileiro não entende patriotismo. Mas eu fui criado aqui nos Estados Unidos. O meu sonho era ajudar minha nação natal. Se minha nação natal não me quer, não tem problema. Eu vou servir a nação que me adotou", declarou o cirurgião em vídeo publicado pelo jornal Extra .

Criado nos Estados Unidos (filho de uma brasileira e um americano), Roberto Miguel Rey disse que a Marinha americana está "pedindo de joelhos há anos" que ele se junte à instituição como capitão cirurgião. "Irei com uma lágrima no meu olho, porque eu queria participar no Brasil. Ou eu ajudo o Brasil, ou eu entro para as Forças Armadas americanas", ameaçou.

Leia também: Bolsonaro se aproxima do DEM e deve nomear terceiro ministro do partido

O cirurgião, que estrelou reality show na televisão, fez questão de exaltar sua carreira e assegurar que "não precisa de dinheiro brasileiro", "Eu tive muito sucesso mundo afora. Não preciso voltar para o Brasil e ser humilhado. Fiz meu curso em Economia e CIências Políticas só para voltar para o Brasil. Não preciso de dinheiro brasileiro, eu tive muito sucesso."

Em novo vídeo publicado nesta quarta-feira (14) em suas redes sociais (veja ao fim desta matéria), Dr. Rey baixou o tom de seu discurso e ponderou que ainda quer "servir a nação", mas que, se não puder, "não tem problema".

"Queria dar parabéns à nossa pátria que finalmente escolheu um governo conservador. Amo o presidente Bolsonaro . Vai ser um grande sucesso. Espero poder servir nossa nação, mas se não puder servir também não tem problema. Seremos um grande pássaro fênix saindo das cinzas da esquerda", disse o cirurgião em frente ao espelho de uma academia.

Na ocasião da visita frustrada a Bolsonaro, Dr. Rey pretendia se oferecer para assumir o Ministério da Saúde. A pasta, no entanto,  deve ser comandada pelo deputado Luiz Henrique Mendetta (DEM-MS).



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.