Tamanho do texto

Advogados de Joesley e Wesley Batista decidiram, por "conveniência", não ouvir o ex-procurador-geral no processo de anulação de uma delação da JBS

Rodrigo Janot falaria como testemunha no processo em que ele mesmo pede ao STF que anule acordo com os irmãos Batista
Jefferson Rudy/Agência Senado - 26.8.2015
Rodrigo Janot falaria como testemunha no processo em que ele mesmo pede ao STF que anule acordo com os irmãos Batista

A defesa dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos da J&F, desistiu nesta segunda-feira (12) do depoimento do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, quando ele já se encontrava dentro da sala de audiências, no Supremo Tribunal Federal (STF).

Rodrigo Janot falaria como testemunha no processo em que ele mesmo pede ao Supremo que  anule o acordo de delação premiada firmado pelo Ministério Público Federal (MPF) com os irmãos Batista e outros dois executivos da empresa – Ricardo Saud e Francisco de Assis. O depoimento fora autorizado pelo ministro Edson Fachin, relator do caso.

Aborrecido após deixar a sala de audiências, Janot disse que esperava ao menos a “cortesia” de ter sido comunicado sobre a desistência antes de precisar se deslocar ao Supremo. “Concordei em estar aqui há muito tempo”, lembrou. Ele sugeriu que ao fazê-lo expor-se publicamente ao ir ao STF , a defesa pode ter tentado constrangê-lo.

"Pode ser que, e não afirmo que isso aconteceu, era o interesse de constranger o então PGR que subscreveu a peça em que se postula a rescisão desse acordo", disse Janot.

O advogado Técio Lins e Silva, que representa Joesley Batista, negou qualquer intenção de constrangimento, e disse que a desistência se deu por questões de “conveniência”, e que exerceu uma “prerrogativa da defesa desistir da testemunha a qualquer momento”.

Leia também: ‘Difícil de engolir essa’, escreve Janot sobre Alckmin fora da Lava Jato

Em reunião na manhã desta segunda-feira (12), os demais advogados que trabalham no processo concordaram em desistir da oitiva de Janot. “Ouvimos testemunha de acordo com conveniência de sua defesa”, disse. “Não passou pela cabeça da defesa, em momento algum, constranger quem quer que fosse. Não faz sentido essa manifestação de constrangimento”.

Os advogados disseram que Janot já se manifestou no processo em mais de uma oportunidade desde que pediu a rescisão do acordo, em setembro de 2017, por isso não quiseram ouvi-lo novamente.

No acordo de colaboração assinado, o MPF se comprometeu a não processar criminalmente os irmãos Batista. A concessão do benefício máximo foi alvo de críticas desde quando o acordo foi divulgado.

Leia também: Justiça aceita denúncia contra ex-procurador da República e delatores da JBS

Quando pediu ao STF que homologasse a decisão de rescindir a delação dos executivos da J&F, Rodrigo Janot disse que eles agiram de má-fé e ocultaram em seus depoimentos a informação de que o então procurador da República Marcelo Miller os teriam orientado a como agir para obter um acordo de colaboração.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.