Tamanho do texto

De acordo com denúncia contra ex-procurador da Lava Jato, Marcello Miller atuou em benefício do empresário Joesley Batista, da JBS, durante a negociação do acordo de delação com o Ministério Público

Justiça aceita denúncia contra ex-procurador e contra Joesley Batista, um dos donos da JBS
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 8.11.17
Justiça aceita denúncia contra ex-procurador e contra Joesley Batista, um dos donos da JBS

A Justiça de Brasília aceitou, nesta quinta-feira (28), uma denúncia do Ministério Público contra o empresário Joesley Batista – um dos donos da empresa e do grupo J&F – e o ex-procurador da República Marcelo Miller, um dos encarregados das investigações da Lava Jato. Ambos são acusados pelo crime de corrupção. 

Leia também: Mal avaliado, Temer diz que "a história é que vai registrar" seu governo

Também foram aceitas pela Justiça, além da denúncia contra ex-procurador , denúncias Francisco de Assis e Silva, um dos delatores da JBS, e a advogada Ester Flesch, sócia do escritório de advogacia que contratou Miller. 

Os quatro se tornam réus por corrupção no processo da delação premiada do empresário da J&F. A denúncia foi apresentada à Justiça Federal em Brasília e está sob segredo de Justiça. 

De acordo com as investigações, na gestão do ex-procurador da República Rodrigo Janot , o ex-procurador Marcelo Miller atuou em benefício do empresário na negociação do acordo de colaboração com o MPF.

Para a acusação, documentos trocados entre Miller e integrantes do escritório de advocacia que o contratou comprovariam o “jogo duplo” no caso. Em troca, Miller receberia de Joesley R$ 700 mil.

A defesa do ex-procurador sustenta que ele "nunca atuou como intermediário entre o grupo J&F ou qualquer empresa e o procurador-geral da República Rodrigo Janot ou qualquer outro membro do Ministério Público Federal". 

Leia também: Para Cármen Lúcia, ministros do STF não tomam ‘decisões partidárias’

A Polícia Federal já havia indiciado esses quatro acusados pelo crime. O relatório final da investigação foi encaminhado pela corporação ao relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Edson Fachin, e à presidente da Corte, a ministra Cármen Lúcia.

Denúncia contra ex-procurador o leva a abandonar posto

A decisão de Marcelo Miller de deixar o MPF veio ao público no dia 6 de março do ano passado, véspera da famosa conversa entre Joesley e o presidente da República, Michel Temer (PMDB), gravada pelo empresário e utilizada na delação dos irmãos Batista.

Antes da denúncia contra ex-procurador , Miller era um dos mais duros procuradores de Janot , num núcleo de procuradores especialistas em direito penal recrutado em 2013 para atuar na operação Lava Jato. 

Leia também: Reprovação do governo Temer chega aos 79% e se torna a pior da história

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.