Tamanho do texto

Presidente eleito deve focar em pautas que deseja aprovar no Congresso Nacional ainda este ano e anunciar novos ministros do futuro governo. Veja

Jair Bolsonaro retorna à Brasília esta semana para intensificar agenda do processo de transição
Divulgação/ Facebook
Jair Bolsonaro retorna à Brasília esta semana para intensificar agenda do processo de transição

O presidente eleito Jair Bolsonaro desembarca em Brasília novamente esta semana para intensificar a agenda de transição. Na lista de prioridades estão pontos específicos da reforma da Previdência e a definição de pelo menos quatro nomes para as áreas de Meio Ambiente, Defesa, Saúde e Relações Exteriores.

Leia também: Jair Bolsonaro cancela agendas com líderes do Congresso Nacional

Ainda na semana passada, Bolsonaro tinha declarado que pretendia definir nesta semana os futuros ministros que comandarão as pastas do Meio Ambiente, da Saúde, da Defesa e das Relações Exterior. Na ocasião, o presidente eleito também reconheceu estar encontrando dificuldades para escolher o titular da Educação.

De qualquer forma, os próximos dias deverão apresentar mais nomes do futuro governo . Até agora, Bolsonaro já definiu os ministros da Economia, Paulo Guedes; da Casa Civil, Onyx Lorenzoni; da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes; da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro; do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno; e da Agricultura, Tereza Cristina.

Anunciada por último, consta na agenda de Bolsonaro uma reunião justamente com a deputada federal que é líder da bancada ruralista na Câmara dos Deputados e assumirá a pasta da Agricultura a partir de janeiro do ano que vem.

Tereza Cristina avisou que para ela é fundamental adotar medidas para proteger os produtores rurais e frear o que chama de “indústria de multas”. Enquanto Bolsonaro, ainda durante a campanha, indicou que pretende limitar as demarcações de terras indígenas.

Bolsonaro vai tratar de pautas polêmicas no Congresso

Bolsonaro e Temer deverão discutir pautas polêmicas que transitam no Congresso Nacional e podem prejudicar ou ajudar o futuro governo
Wilson Dias/Agência Brasil
Bolsonaro e Temer deverão discutir pautas polêmicas que transitam no Congresso Nacional e podem prejudicar ou ajudar o futuro governo

O presidente eleito também tem marcado na agenda da semana compromissos para tratar de medida polêmicas que estão em transitação no Congresso Nacional entre elas, a principal, reforma da Previdência.

Leia também: Bolsonaro liga para Silvio Santos e diz que vai deixar brasileiros mais felizes

Bolsonaro já deixou claro que espera aprovar "alguma coisa" da reforma ainda esse ano para fazer um aceno ao mercado e começar o futuro governo com o orçamento mais aliviado já que a Previdência Social é altamente deficitária e pesa nas contas do governo federal.

Na semana passada, o presidente eleito recebeu uma série de propostas, mas disse não ter definido ainda quais vai levar adiante. Ele negou a possibilidade de elevar para 40 anos o período mínimo de contribuição para o recebimento integral da aposentadoria e tem falado recentemente sobre elevar a idade mínima em pelo menos um ano ainda em 2018 e acabar com o chamado "fator previdenciário", um cálculo que soma tempo de contribuição com a idade dos contribuintes.

O presidente eleito também rechaçou a proposta de aumentar de 11% para 22% a alíquota do INSS e destacou que a Previdência do setor público é a mais deficitária e precisa ser revista.

Em mais de uma ocasião, Bolsonaro disse que não quer ver o Brasil “transformado” em uma Grécia – "onde os contribuintes tiveram que aumentar o pagamento do desconto linear para 30%", afirmou.

Outra pauta polêmica que Bolsonaro vai encarar durante a agenda de transição  dessa semana é o reajuste de 16% sobre o salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e da Procuradoria-Geral da República (PGR) que eleva o teto de salários do funcionalismo público. O presidente eleito afirmou que, se fosse o presidente Michel Temer,  vetaria o aumento com base na Lei de Responsabilide Fiscal e que considera "inoportuno".

O projeto que libera o reajuste foi aprovado na última quarta-feira (7) pelo Senado Federal e foi encaminhado para sanção presidencial. Considerado uma "pauta-bomba", estima-se que o aumento gere um rombo de R$ 6 bilhões por conta do "efeito cascata" nas já prejudicadas contas públicas dificultando ainda mais o início do governo Bolsonaro. Uma conversa entre o presidente eleito e atual presidente sobre essa pauta não está descartada, mas, por hora, ainda não consta na agenda da semana.

Leia também: Reajuste do STF deveria ser vetado por Michel Temer, opina Jair Bolsonaro

Bolsonaro , no entanto, está enfrentando dificuldades na relação com o Congresso Nacional e  cancelou o as reuniões que teria na próxima terça-feira  (13) com os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB), em Brasília. A informação foi confirmada no último sábado (10) pela assessoria da equipe de transição, que não informou o motivo do cancelamento.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.