Juiz Sérgio Moro será interrogado sobre habeas corpus que 'deu liberdade' a Lula em julho
Sylvio Sirangelo/TRF4 - 10.8.15
Juiz Sérgio Moro será interrogado sobre habeas corpus que 'deu liberdade' a Lula em julho

O corregedor do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Humberto Martins, determinou a abertura de processo administrativo para apurar se o juiz Sérgio Moro violou leis e o Código de Ética da Magistratura ao aceitar convite para se juntar à equipe de governo de Jair Bolsonaro (PSL) ainda durante o exercício da magistratura. Moro pediu férias da Justiça e deve se exonerar apenas às vésperas de assumir o posto no Ministério da Justiça e Segurança Pública.

A decisão atende a  pedido apresentado semana passada por deputados e senadores do Partido dos Trabalhadores (PT). Os autores da representação alegaram que Sérgio Moro cometeu "falhas funcionais, administrativas e disciplinares" ao promover "óbvia tentativa de interferir no pleito eleitoral".

O corregedor do CNJ , ao decidir pela abertura do processo, deu prazo de 15 dias para o agora ex-juiz da Lava Jato apresentar seus esclarecimentos, e o mesmo prazo para a Corregedoria Regional do Tribunal Regional Federal da 4ª Região informar se há qualquer apuração contra Moro em andamento naquele órgão.

Leia também: Moro diz que "não inventou" delação de Palocci e nem tentou influenciar eleição

Humberto Martins disse que a apuração é necessária para "possibilitar uma melhor compreensão dos fatos" e determinou que fossem reunidos num mesmo processo a representação apresentada pelos parlamentares do PT e também pedidos formulados pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) e por Benedito da Silva Junior.

Você viu?

“Já tramita nesta Corregedoria Nacional de Justiça pedidos de providências instaurados para apurar fatos análogos ao que são objeto das reclamações, de modo que, visando a evitar a repetição de atos processuais, causando demora indevida na tramitação e desperdício de recursos humanos e materiais, devem os presentes feitos serem sobrestados e apensados ao PP para julgamento conjunto”, decidiu o corregedor.

A representação da ABJD argumenta que Moro, ao iniciar tratativas para ser ministro de Bolsonaro  ainda durante o exercício do cargo de magistrado teria violado a proibição constitucional aos magistrados de dedicarem-se à atividade político-partidária (artigo 95 da Constituição; o dever de manter conduta irrepreensível na vida pública e particular (Lei Orgânica da Magistratura, artigo 35); a proibição da manifestar opinião sobre processo pendente de julgamento (Loman, artigo 96) e a vedação de participação em qualquer atividade político-eleitoral (Código de Ética da Magistratura, artigo 7º).

Leia também: Moro 'pescava de varinha' e agora vai 'pescar com rede arrastão', diz Bolsonaro

Sérgio Moro também prestará esclarecimento sobre HC de Lula

Presidente eleito Jair Bolsonaro e o futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, durante visita ao Superior Tribunal de Justiça
José Cruz/ABr
Presidente eleito Jair Bolsonaro e o futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, durante visita ao Superior Tribunal de Justiça

Além de responder a esse processo, Moro também deverá prestar esclarecimentos a respeito da guerra de decisões sobre o  habeas corpus que concedeu liberdade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em julho. 

O corregedor Humberto Martins agendou para o dia 6 de dezembro a tomada dos depoimentos de Moro e dos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) Rogério Favreto, João Pedro Gebran Neto e Thompson Flores Lenz.

Tanto o processo contra Sérgio Moro quanto a apuração sobre o habeas corpus de Lula correm em segredo de Justiça.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários